quinta-feira, 31 de maio de 2018

Resenha #79: Wolverine - O Velho Logan - Mark Millar & Steve McNiven

 Olá leitores!
Antes de mais nada, preciso explicar uma coisa para vocês: eu não abandonei o MLC como parece, é que estou em uma fase complicada: esse semestre eu não peguei aulas, e fiquei u pouco desanimada só com aulas particulares de reforço e tals. Nesse meio tempo, minha melhor amiga Fabia desenvolveu um sério problema na coluna, chegando ao ponto de fazer uma cirurgia em outubro/2017. O problema é que as coisas complicaram pelo fato de ela ter uma filha de um ano, e ao invés de ela se cuidar, ela se descuidou e precisou novamente de intervenção cirúrgica. Como não estou trabalhando, desde a metade de maio estou com ela e permanecerei por aqui até o final de junho, por isso, a escassez de posts. E ao invés de termos três por semana, aguentem um pouco, teremos um por semana. Espero que entendam e me perdoem, pois bancar a enfermeira e a babá simultaneamente está bucha, rs. Mas, bora para o que interessa?

***Todas as imagens foram retiradas da internet!


“I hurt myself today...”

     Ainda não assisti ao filme Logan, mas, tenho certeza que mesmo que tivesse assistido, não estaria preparada para o que encontrei nas páginas dessa HQ. Pra começo de conversa, foi a primeira HQ que me levou as lágrimas. Sério, em determinado momento, minha vista embaçou, a garganta embargou e precisei respirar fundo e olhar para o horizonte. Enfim, bora pra resenha?

SINOPSE: Cinquenta anos no futuro, a América se tornou um vasto território dividido entre feudos e governado por vários supervilões. Desde que os heróis tombaram, o que aconteceu com Wolverine passou a ser um grande mistério: em seu lugar vive um velho chamado Logan. Sem querer nada além de poder cuidar da família, Logan tem sua vida subitamente ameaçada... e se vê obrigado a viajar pela estranha nova América com a missão de proteger seu futuro e redescobrir seu passado.


     Em alguma parte de um deserto vasto, Logan vive com sua esposa e seus dois filhos adolescentes. Eles estão passando por dificuldades financeiras, e os pais se preocupam com o que pode acontecer com seus filhos. A gang dos Banner – sim, descendentes do Incrível Hulk – são os responsáveis por aquela área, e precisam manter a ordem através do medo. Logan pela primeira vez em anos não tem dinheiro para pagar o aluguel de seu rancho, e quando os Banner chegam, o homem recebe sua sentença: como não tem dinheiro, além de no próximo mês ter que pagar o dobro do valor, recebe uma surra sem reagir. Ele não queria reagir. Ele não podia reagir. E assim, tomou uma coça imensa! Apesar de se regenerar, como já estava mais velho e fora de forma, ele ficou muito machucado mesmo, e levou um tempo para se cicatrizar. E foi durante esse período de repouso que ele recebe a visita de um grande velho amigo com uma proposta: que eles juntos atravessem o país para fazer uma entrega na Nova Babilônia (Washington D.C.) e assim, Logan receberá o suficiente para alguns meses de aluguel. O amigo em questão, não é o Professor Xavier, caso você esteja se perguntando, mas, não vou falar quem é só para ser chata, hahahahah.


     O amigo – um ex-Vingador – está praticamente cego pois sofre de glaucoma, e precisa apenas de um navegador, pois, mesmo sem enxergar direito, ele dirige. E o carro nada mais é do que o Aranhamóvel, construído por Johnny Storm, personalizado por uma das ex-mulheres do cara. Durante a viagem, Logan pensa que a entrega é de drogas, e se amaldiçoa por se meter nessa encrenca. O país está dominado por vilões, mas, os civis de alguma forma ainda possuem fé nos super-heróis, o que é no mínimo irônico, uma vez que durante a Guerra Civil, eles imploraram para que os heróis fossem desbancados preferindo a ajuda da polícia e até mesmo dos Thunderbolts. Mas, isso já foi discutido por mim aqui no blog, então, voltando ao foco, os estados são governados por pessoas cruéis. Logan vive em Sacramento (próximo a São Francisco), território da Hulklândia e ex-Território do Abominável, o Rei do Crime possui o ex-domínio de Magneto e a maior parte do país (entre Fênix e Houston), outra parte são as Terras do Destino (Entre Minneapolis e Detroit) e por fim, o restante do mapa é o Quadrante do Presidente, que não é ninguém mais, ninguém menos que... Não vou dizer, rs!


     Como é um futuro distópico – sim, a Marvel criou uma distopia nessa HQ – as pessoas estão muito acabadas, lutando por uma vida mais justa em uma terra sem lei. A Terra atingiu um número de 8 bilhões de habitantes, os Topeiroides – uma raça subterrânea que o Toupeira descobriu – se acham o sistema imunológico do planeta, e eles invadem as cidades mais populosas e as destroem para diminuir o número de habitantes, e dizimam cidades inteiras. Durante a missão, eles encontram Motoqueiros Fantasmas que dão um pau no Logan que não resiste novamente, deixando o amigo furioso, que apesar de cego, ainda é um ótimo arqueiro – descobriram quem é? – e que mata a todos com flechas seguindo apenas as vozes e gritos dos motoqueiros do mal. E só nesse momento, Clint Barton, vulgo Gavião Arqueiro – realmente nota que Logan falou sério quando não lutava mais. Até então, ele sempre o chamava de Wolverine, mesmo o mutante lhe pedindo para chama-lo apenas pelo nome. Mas, ainda não era hora de revelar o motivo que o fez desistir de tudo, e Clint, não insistiu. Ao longo da viagem ainda passaram por diversas aventuras, encontraram uma das ex-mulheres do Gavião – que é a filha de um antigo Vingador também – a filha deles, passaram por destroços de cidades, ossos de heróis e até mesmo de vilões, encontraram dinossauros (!!!), enfrentaram os Topeiroides e até mesmo Venon resolveu fazer uma rápida aparição.




      Em determinado momento, Logan finalmente desabafa com Clint, contando tudo o que aconteceu há cinquenta anos, como ele saiu quebrado, destruído e o motivo de ele querer ter enjaulado dentro de si o animal que dividia espaço com o homem. Foi o momento em que chorei, mas, sabe o que eu entendi? Que além de não ter julgado, o Gavião permitiu que Logan se perdoasse ao colocar tudo aquilo pra fora. E em meio a isso tudo, uma antiga aliada os salva de uma enrascada e ainda conserta o Bugue-Aranha que vinha enfrentando todas com os ex-Vingadores. Ao chegarem no destino, outra traição é descoberta, e novamente, Logan se vê em meio a um caos que ele não provocou, mas, dessa vez as coisas são diferentes. Essa viagem o mudou, e ao ver que as coisas não são como parecem, ele é levado para um antigo inimigo, ele se vê em meio a um dilema, e ele sabe muito bem o que precisa fazer. 


     As cores frias de marrom e bege, nos levam ao deserto, ao futuro quase sem provisões, as cores em preto e vermelho, nos transportam para a agonia dos sentimentos confusos não só de Logan, mas, do próprio Gavião e de todos os vilões também. Steve McNiven como sempre, arrasando nas ilustrações, nos colocando a par de tudo através das expressões faciais dos personagens... Os quadrinhos onde ele mostra Logan chorando agoniado, me deixou agoniada e chorando também. Mark Millar é o gênio por trás do roteiro, e vou dizer, ele arrasa! Criativo esse cara, gente! E aqui: nada me preparou para quando as coisas na Nova Babilônia acabaram e ele voltou para casa. Puxa vida! Não posso, tô quase dando spoilers... Só falo que me surpreendeu... SNIKT! (Isso é uma onomatopeia, ok? Ahahah...) E que foi muito, muito feio tudo o que aconteceu dali pra frente. O Velho Logan não é um gibi para crianças, na verdade, acho que nenhum dos gibis da Marvel são para crianças, mas, esse especificamente é muito sangrento e violento, ainda mais que Hulk Contra o Mundo, um dos mais violentos em minha opinião. Claro que essa é uma das muitas realidades alternativas, mas, realmente, muito triste seria se tudo acabasse dessa maneira. E falo, que nunca a música de Johnny Cash fez tanto sentido pra mim quanto ao ler esse gibi. Eu achei que ficou perfeita no trailer de Logan – chorei só de ver o trailer e ouvir Cash – mas, ao colocar essa música em contraste com essa história, achei que ela fez todo sentido. Repito que não assisti ao filme ainda, mas, àquela menininha sabe, a X23, nem dá as caras no gibi.



      Bom, pessoas, vou parando por aqui, já falei mais do que o necessário, me empolguei demais escrevendo essa resenha, rs!




Wolverine – O Velho Logan – Mark Millar & Steve McNiven, Marvel Comics, Editora Salvat. Recomedadíssimo!

terça-feira, 22 de maio de 2018

Resenha #78: O Espetacular Homem-Aranha: De Volta ao Lar - J. Michael Straczinski & John Romita Jr.

     Hello, tudo bem?
Me perdoem por estar em off esses dias, tinha pensado em tirar duas semanas após o BEDA, mas, postergou pra mais uma por uns motivos que não cabem aqui no blog. Mas, hoje trouxe algo muito especial.

    Como essa semana teremos uma data muito importante que é o Dia do Orgulho Nerd/Geek, essa semana teremos coisas especiais sobre a cultura nerd aqui no MLC. E para começar,  nada melhor do que uma linda resenha de HQ, não acham? E dessa vez, trago sobre um herói que ainda não tinha trazido por aqui.

Bora lá?

Imagem da internet

     SINOPSE: Ao longo de sua vida, Peter Parker com frequência se sentiu sozinho. Quando descobriu suas habilidades aracnídeas após ser picado por uma aranha irradiada, ele as manteve em segredo. Sua tentativa de explora-las para obter lucro resultou no assassinato de seu tio Ben. Aparentemente, ninguém compreenderia o difícil equilíbrio entre o mortal e o herói.
Até agora foi assim. Uma misteriosa figura surge de repente, exibindo poderes similares aos de Peter. Quem é esse homem misterioso? Quem são as pessoas que ele representa? E o que é esse mal ancestral que chegou aos Estados Unidos em busca de Peter?

     Não assisti ao filme De Volta ao Lar, então, não sei o que tem por lá e não posso dizer, mas, com certeza, não tem nada a ver com a HQ. Uma coisa que eu sei é que no filme, Peter ainda está na escola, o que não é o caso que encontramos no gibi. Eita, melhor começar do começo, rs!

Imagem da internet 
    Não li ao gibi que antecede essa história, mas, sei que Peter tem uma vida boa ao lado de sua linda esposa e supermodelo Mary Jane, mas, por alguns problemas relacionados ao Homem–Aranha – e não Peter – MJ toma a decisão de se separar do marido, mesmo o amando imensamente. E é assim que começa essa trama, com um Peter Parker arrasado pela separação de sua amada esposa. Sua depressão está tomando conta de seu ser e o herói se torna até um pouco descuidado com seus afazeres. Durante a noite, fica balançando por aí em suas teias e só para quando se cansa e durante o dia, anda sem rumo. Em uma dessas andanças por aí, um dia ele se depara com sua antiga escola e vê um aluno sofrendo bullying dos valentões. Peter então, relembrando da época em que ele próprio era adolescente, ajuda o rapaz, mas, este fica irritado, pois, agora será mais sacaneado que antes. Então, novamente em uma de suas noites de balançadas em teias, ele encontra uma pessoa, um homem de meia idade com poderes idênticos aos seus. Aranha fica completamente atônito ao encontrar alguém com as mesmas habilidades e quer algumas respostas, mas, o estranho - chamado Ezekiel – acaba lhe deixando com muitas dúvidas mais.

 "– Diga uma coisa, Pe... hã, Homem-Aranha. Não minta, pois vou perceber. Como conseguiu seus poderes?
– Eu... – Zek sabe quem sou e poderia fazer muito estrago com essa informação. Preciso entrar no jogo. Afinal, minha origem vai ser inútil para ele. – Uma aranha irradiada me picou.
– Ahá! Foi o que pensei. Isso explica sua forma de encarar a situação. Outra pergunta...
– Olha, eu já cansei de...
–Calma, você vai gostar dessa. Acredite.
[...]
– Eu tenho uma pergunta das boas. Vou provocá-lo como nunca provocaram antes... e nunca provocarão depois. Por isso preste atenção. A radiação possibilitou que a aranha lhe desse poderes? Ou a aranha tentou transmitir seus poderes antes que a radiação a matasse? O que veio primeiro: a radiação ou o poder? O ovo ou a galinha?”

Imagem da internet
    Claro que isso foi um choque tremendo para o Aranha, que nunca tinha cogitado essa possibilidade, e ficou muito pensativo. Ezekiel o deixou com seus pensamentos e cada um seguiu com sua vida. Simultaneamente, uma cara com cara de defunto e muito sinistro, chegou ao território do Aranha, procurando por uma essência pura de herói para se alimentar, e ele não pararia, não desistiria até encontrar essa fonte. E o novo amigo, Ezekiel, cada vez mais misterioso, seguia sua vida com seus negócios bilionários.

       Peter procurava consolo sempre em sua fiel amiga, mãe, confidente e tia, May, que estava fazendo o possível para manter a sanidade de seu sobrinho. Ao tentar uma vaga como professor de ciências na escola onde estudou na adolescência, o sentido aranha de Peter o alerta para um atentado na escola, e ele precisa usar sua inteligência e seus poderes para contornar a situação, e descobre um aluno brilhante em meio ao caos. Após conseguir a vaga na escola, causou uma comoção nos alunos e dividiu opiniões sobre professores que gostam do oficio e os que estão lá por estar. Assim, ele poderia ficar mais próximos dos alunos e tentar proteger os nerds como ele.

Imagem MLC
     A vida seguiu em frente, e alguns dias mais tarde, Ezekiel entra em contato com Peter e lhe informa que ele está em perigo. Ele leva Peter a um abrigo seguro, mas, o rapaz não aceita a ajuda, e o mal que estava esperando o momento para extrair a essência pura do Homem-Aranha atacou de um modo como nunca fora atacado antes. E agora, ele conhecia o cheiro do herói, ele o perseguiria e o encontraria, até que Peter finalmente desistisse e se entregasse de vez. E aqui, vemos um Homem-Aranha caindo em um buraco cada vez mais fundo, do qual não temos certeza se ele vai sair.

       Aqui chegamos em uma encruzilhada: Peter vai morrer pelas mãos do carinha defunto – que tá mais pra vampiro, pois, o homem vai beber o sangue dele, ou vai acabar se matando para evitar morrer pelas mãos do inimigo, e ter seu sangue bebido após morrer por conta própria. Ou seja, ele precisa morrer. Mas, como matar um herói tão querido? Straczynski não nos decepciona com um roteiro espetacular para essa HQ. E a arte de Romita é tão perfeita, seus traços são tão densos que dá para sentir o que eles sentem somente de olhar para as ilustrações. Sofri o tempo todo junto com Peter e com o Homem-Aranha, e se eu fosse você, leria só pra sofrer também, rs.

Imagem MLC

     Vou ficando por aqui, chuchus!

O Espetacular Homem-Aranha: De Volta ao Lar (The Amazing Spider-Man: Homecoming) – J Michaels Straczynski & John Romita Jr, Marvel Comics, Editora Salvat. Já diz o nome: Espetacular!

Beijooooo


Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por