segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Happy Doctor Day!!!

     Hello, Sweeties...

     Eu precisava comentar hoje sobre isso: Feliz Dia do Doutor!!! Há 52 anos, a BBC lançou uma série de ficção científica que na época nem eles mesmos sabiam que daria tão certo: DOCTOR WHO.

     Doctor Who narra as aventuras de um Senhor do Tempo. Quando essa série começou a ser transmitida, os produtores viram que dava certo e investiram pesado. O velhinho bonzinho que roubou uma máquina do tempo e viajava pelo tempo e espaço com sua neta e algumas outras pessoas. Até o ator ficar muito doente e precisar deixar a série. Precisava urgente de um substituto, e o ator escolhido era nada a ver fisicamente com o Doctor. Foi então que surgiu a ideia: e se o Doctor estivesse morrendo, só que usasse um truque para enganar a morte? Todas as células de seu corpo mudariam e automaticamente ele se tornaria uma nova pessoa, com uma nova personalidade? Caso não ficasse bom, ao menos eles tinham tentado, né? O que eles sequer imaginavam é que justamente esse  seria o segredo do sucesso de Doctor Who!

     Agora, minha história com Doctor Who, foi no mínimo engraçada. Eu moro em uma cidade muito festeira, sabe, muito mesmo. E tem uma época do ano que se tem festa a semana toda, e os horários de ônibus mudam, fica o Oh!, e eu faltei na faculdade pois não teria busão pro meu bairro quando eu chegasse. Então, sem nada pra fazer, peguei o controle da TV e mudei de canal. Vi um monstrengo horrível e zuado, e passei pro outro canal. Só que não resisti, eu queria saber que monstrengo era aquele. Dali alguns minutos, vejo correndo uma loura, um nego muito gato, um branquelo super power lindo e o Christopher Eccleston (!!!!!) que era o único que eu sabia o nome e que eu curto muito o trabalho dele desde minha adolescência. Era o episódio "Boom Town" da primeira temporada! No outro dia assisti de novo, achei super legal apesar de ouvir uns nomes que nunca tinha ouvido, e no outro dia assisti de novo, e o Eccleston se regenerou e eu não entendi nada. Ué, eu estava vendo o Eccleston, de repente vejo o carinha que fez o Bart Crouch Jr. em Harry Potter e o Cálice de Fogo? (Eu ainda nem imaginava que esse Doctor Tennant viria a ser o meu favorito, né?) Parei por aí, minha rotina voltou ano normal, uns dias depois eu assisti o segundo episódio da segunda temporada, e fiquei um tempão sem assistir. Quando assisti, era o sétimo episódio da quarta temporada. "Cadê a Rose?" foi a primeira pergunta que fiz, mas me esqueci assim que vi a Agatha Christie no episódio. Quando assisti de novo, mosquei mais ainda, porque vi um outro cara sendo chamado de "Doutor" (meu Matt!) por uma ruiva muito linda... Larguei mão de vez, decidi assistir certinho, o que demorou um bom tempo...

Whovianic dezembro de 2013
     Eu não imaginava que existiam tantos Whovians espalhados por aí, conheci um site onde eu podia baixar os episódios e mais ou menos uns oito meses após eu começar a participar ativamente dese site, os administradores do site marcaram um Whovianic, e eu saí daqui do interior e me descambei pra Capital, arrastei a Quenia comigo, só pra participar desse evento, e gente, tinha um bando de doidos por lá. Uma galera gente boa, gostei de todo mundo. Tinha até uma cópia feminina do Master (antes de ele se regenerar em Missy) e uma cópia masculina da River Song, ele era O River, hahahah... Gravamos um vídeo do 500 Miles que deve estar no YouTube até hoje... No ano passado teve um outro encontro Whovian, na Livraria Cultura do Shopping Bourbon - Pompeia. Claro que arrastei a Quenia comigo de novo, rs!


      Tinha muito cosplay show de bola, sabe! Era cosplay de Missy, de vários Doctors, tinha até uma moça de K-9 por lá! Super divertido o podcast, eu curti bastante e ainda cantamos "Happy Birthday Doctor Who" no final - também deve estar em algum lugar do YouTube, rs! 

     Esse ano eu também arrastei a Quenia pra um outro esquema: lá na Pompeia de novo, a TARDIS estaria exposta. Claro que eu fui, né? Tirei altas fotos! Linda de morrer, com aquele azulão... E, assim que surgir outra coisa, Quenia... Geronimo! Ahahahaha!!!

     Enfim, só falo uma coisa: nesse universo Whovian, tem muita coisa para ser explorada. Ontem eu assisti o episódio novo da 9º temporada, "Face the Raven"... Cara, chorei pakas! Despedida de companion é sempre horrível, dramática, mas confesso que não esperava que fosse do jeito que foi...


     E claro, ultimamente ele tem aparecido bastante em postagens Whovians, então, como sou fã desse cachorro, nada mais justo do que o Snoopy me fazer companhia nesse post, mostrando que também é Whovian, rs! 
   
Engraçado esse negócio, né? Como pode um monte de gente que nunca se viu se reunir pra fazer um evento grande e o negócio dar certo? Se nós nos uníssemos mais em causas sociais com o mesmo afinco que usamos para usufruir das coisas que gostamos e admiramos, acho que nossa sociedade seria melhor... mas não estou aqui para fazer crítica política, não hoje, rs!

     Vou encerrando por aqui, estou com sono. Final de ano acaba com qualquer professor, viu, "pelamor" do guarda, tô um bagaço, precisando urgente de vitamina F: Férias! Ahahahahahah!!!



     Então.... Good night, Sweeties, sonhem com os anjos (não com os Lamentadores vai que eles não são sonho e te levam pra passado e se alimentam da sua energia temporal de dias não vividos no futuro, hein? )


Allons-y! 

sábado, 7 de novembro de 2015

Vida e Obra #3: J. M. Barrie

   Boa noite, amadinhos...

     Faz tempo, né? Naquelas...vida de professora em fim de ano é zoada! Mas estou aqui, e isso é que importa. Hoje vim para falar de um autor maravilhoso que escreveu uma de minhas obras favoritas: J.M. Barrie.


Peter Pan é o meu conto de fada preferido de todos os tempos, sabe. Desde que escutei a história pela primeira vez, me encantei. O menino que não queria crescer, mas que ao mesmo tempo era adulto o suficiente pra cuidar de outros meninos, das fadas e enfrentar piratas. 

Meu primeiro contato com Peter na verdade, não foi na literatura, mas no filme da década de 1990 - Hook, com Robin Williams como Peter Pan e Julia Roberts como Sininho. Me encantei com a história, achei apaixonante! Com o passar dos anos eu lia algo aqui, outro acolá, mas a história mesmo me era desconhecida. O tempo foi passando, e mesmo sempre encantada com o mundo mágico da Terra do Nunca, não pude evitar que acontecesse: eu cresci! Eu vivia encantada com Neverland, mas não habitava em Neverland. Fazer o quê? Não há nada a fazer, crescer faz parte (e por mais que eu me recusasse, não rolou!).

Os anos se passaram e nunca deixei de amar a história dos "Meninos Perdidos", e fui procurar o livro pra ler. Levei anos procurando, mas antes de encontrar o livro, conheci um pouco mais sobre a grande pessoa que foi J. M. Barrie. Marcado por grandes perdas, cicatrizes que permaneceram em sua alma pro resto de sua vida, transformaram ele, mas também o tornou mais forte. Quem não conhece, pode conhecer e quem já conhece, pode se encantar - ou se entristecer - novamente com a história de vida deste homem.

Conhecendo J. M. Barrie:

Sir James Matthew Barrie nasceu na Escócia em 1860, mas mudou-se bem jovem para a Inglaterra, onde viveu toda a sua vida. Foi dramaturgo e escritor, produzindo diversas peças teatrais além de escrever diversos livros, sempre para o público adulto. Em 1904 ele escreveu "The Boy Who Wouldn't Grow Up" (O Menino Que Nunca Quis Crescer), dando origem ao personagem Peter Pan, - sua criação mais famosa - o menino que foi criado por fadas na Terra do Nunca, que conseguia voar e que não envelhecia jamais, mas apenas em 1911, Peter Pan foi publicado em livro, narrando assim a história dos irmãos Darling. Acredita-se que a inspiração do autor para Peter Pan tenha sido através de sua amizade com Sylvia Llewelyn - Davies - sim, ela é real!!! - filha do romancista George du Maurier.



Para quem assistiu o filme com o maravilhoso Johnny Depp e Kate Winslet - Em Busca da Terra do Nunca - Finding Neverland em inglês - ficou muito encantado (tenho certeza, até meus alunos que assistiram choraram, rs!) e, nesse filme, podemos conhecer um pouquinho mais sobre Barrie. Bom, sua amizade com a senhora Davies começou por acaso. Viúva, mãe de cinco meninos, o autor usou a inspiração que as crianças lhe davam para criar o mundo mágico de Peter Pan. Essa amizade foi tão importante, que após a morte de Sylvia, Barrie se tornou tutor dos meninos, permanecendo assim até sua morte em 1937. Em vida, doou os direitos da história de Peter Pan para o hospital pediátrico Great Ormond Street. 



Barrie era o nono de dez filhos. Aos sete anos passou por um trauma que o acompanharia a vida toda: seu irmão David morreu em um acidente de patinação, e sendo o filho preferido da mãe - o que pra mim é um absurdo, os pais deveriam amar por igual - esta não aguentou e caiu em depressão profunda. Jamie, como era chamado, tentou conseguir a afeição da mãe vestindo as roupas do irmão falecido, e ela olhou para ele pela primeira vez em meses, surgindo a partir daí uma relação obsessiva entre mãe e filho.

Em 1894, o nome de Peter Pan foi usado no romance adulto intitulado "The Little White Bird", que contava a história de um menino e um homem que iam passear em Kensington Gardens e o homem contava que Peter Pan podia ser encontrado nos jardins durante a noite. Vinte anos depois, em 1904, Peter Pan foi para os palcos, mas o livro mesmo só veio a ser publicado em 1911 e foi intitulado "Peter and Wendy". Alguns afirmam que essa história foi a consequência da sua não revelada busca pelo amor, servindo de consolo pela falta de afeição das duas mulheres mais importantes de sua vida - mãe e esposa - tendo sido uma tentativa de definir seu remorso por perder sua infância e nunca ter tido um filho como Peter ou uma filha como Wendy. Peter Pan foi se desenvolvendo à medida que Barrie contava para os cinco filhos de Sylvia, esta com quem Barrie teve uma longa amizade. O esposo de Sylvia, Arthur, não ficou muito feliz com essa amizade, mas acostumou-se com o tempo, e após sua morte, Barrie sempre esteve por ali. Após a morte de Sylvia, o pai adotivo dos Davies ainda viria a sofrer grandes traumas em sua vida: George, um dos filhos morreu na Primeira Guerra Mundial e Michael se afogou com um amigo em Oxford (provavelmente um suicídio duplo), e a morte de Michael foi uma grande perda para Barrie. Peter chegou a se tornar editor, e em 1960 suicidou-se se jogando na frente de um metrô. Reza que a lenda de que Peter se tornou muito infeliz por nunca conseguir se desvencilhar do personagem que recebeu o seu nome.


Durante a Primeira Guerra Mundial, Barrie ainda se arriscou mais: fez um filme! No estilo Velho Oeste com seus amigos Shaw William Archer e G.K. Chesterton, e escreveu mais duas peças de fantasia. Barrie tornou-se Barão e em 1922 recebeu a Ordem de Mérito - distinção de honra britânica. Costumava ser visitado por ministros, duques e estrelas de cinema como Charlie Chaplin, além de outros admiradores que ocasionalmente ele ajudava com dinheiro ou conselhos. 



Mesmo com a idade avançada, Barrie podia interpretar o Capitão Gancho e Peter Pan com entusiasmo de menino para o filho de sua secretária, Lady Cynthia Asquith. O criador do menino que nunca cresceu habitante da Terra do Nunca, morreu em 19 de junho de 1937 aos 77 anos, vítima de pneumonia, e apesar de toda a dor que passou durante toda a sua vida, com perdas irreparáveis de pessoas próximas - irmão, mão, melhor amiga, filhos adotivos - Barrie procurou viver plenamente!
Peter Pan ainda hoje é um dos livros mais lidos e admirados em todo o mundo, e já ganhou diversas adaptações para as telas - já assisti todas, por sinal, rs! 


     Acho que a parte mais triste do livro, é o que acontece com os Meninos Perdidos e com os meninos Darling depois que eles crescem. Apenas Wendy continuou a acreditar e se lembrar de Peter e da Terra do Nunca, tanto que passou a história para suas gerações, e, sabe, conosco acontece da mesma forma! Enquanto somos crianças acreditamos com mais afinco, amamos com mais veracidade e vemos tudo muito mais colorido. Conforme crescemos, nos tornamos ocupados demais, estressados demais cansados demais e mau -  humorados demais (experiência própria, rs!) para vermos tanta magia em tudo. Acaba a inocência e começa a vida real. Se olhássemos hoje com os olhos de crianças para as coisas ao nosso redor, talvez - e apenas talvez - fosse tudo mais fácil!
     Quantas vezes ainda teremos de dizer: "Eu era feliz e não sabia!", pensando em nossa infância e tudo o que ela representou para cada um de nós? 

Estátua de Peter Pan - Kensington Gardens - Londres.

     Pior de tudo, síndrome de Peter Pan não rola, só vivendo muito alienado mesmo para deixar se levar por crises, afinal, enfrentamos crise o tempo todo: de idade, identidade, inferioridade, financeira, familiar... As crises nos ajudam a crescer. Irônico, não? Aprender a crescer, quando tudo o que muita gente gostaria mesmo, era de ser como Peter Pan, e nunca deixar a inocência acabar.

     Enfim... Falei demais, né? Ahahah... Mal aê! Mas vocês me conhecem, quando falo muito, coloco diversas imagens para não ficar maçante e dar a impressão que o texto seja enorme - por mais que ele seja enorme mesmo, rs!
     Vou encerrando por aqui, amadinhos, faz três dias que estou tentando postar esse texto, e sempre algo dá muito errado, hahah! 
     Então, já me vou, galera! Um super beijo para meus amigos queridos que sempre passam por aqui e um super beijo pra quem está chegando agora. Sempre um prazer receber vocês!  =) 


Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por