quinta-feira, 21 de abril de 2016

TAG: Doces, Livros & Docinhos


      Hello Sweeties... (Nunca essa palavra deu tão certo quanto ao post de hoje, rs!) tudo de boa com vocês? 




     Visitando o blog Boneca Literária, que é um espaço muito fofo, por sinal, eu encontrei essa TAG muito legal e resolvi trazer aqui pro meu cantinho. A TAG foi criada pelo blog português The Mistery's Garden que também é um lindo espaço, adorei!  Achei ela bem diferente de todas as que já respondi, e como sou uma formiga, nada melhor do que responder uma TAG bem doce como essa! A moral é comparar doces com livros. 
     Huuummm... Diliça!!!! Bora lá, então?


Chocolate
Um livro tão bom, mas tão bom, que você preferiu avançar calmamente na leitura só para aproveitar cada página...

Já li Orgulho e Preconceito (Jane Austen) algumas vezes, a cada vez que leio eu me delicio com a história das irmãs Bennet. Já falei várias e várias e várias vezes que eu amo o Mr. Darcy e que eu queria ele pra mim, e que meu amor por ele é verdadeiro, hahaha. A primeira vez que li esse livro foi até engraçado, uma aluna de onze anos pegou na biblioteca municipal e levou pra mim, pois, um dia ela me escutou falar que eu queria ler esse livro. Mais ou menos um ano depois disso, eu comprei minha edição e já li mais duas vezes, e pretendo ler novamente esse ano. Vale muito a pena!



Cupcake

Um livro cuja parte inicial você considera ser a melhor:

Pra essa questão com certeza eu fico com Divergente de Veronica Roth, e ainda escolho em duas situações: a primeira é que não tem como ler o primeiro capítulo e abandonar a leitura. A autora deixa o fim do primeiro capítulo com o famoso "gostinho de quero mais", você tem vontade de ler pra saber o restante. E a segunda situação, é que não tem como ler o primeiro e deixar pra lá os próximos, um puxa o outro e o final é demais! Eu adorei essa saga! Ah! E eu detesto a palavra "cupcake", pra mim é bolinho e pronto, rs!


Bolo
 Um livro que misturou vários gêneros literários e se tornou uma combinação deliciosa:


Sem dúvidas, Romeu & Julieta, William Shakespeare. Tudo o que precisa para uma boa história funcionar: drama, comédia, tragédia, romance, política, assassinato, envenenamento, suicídio... Fico pensando, se Shakespeare pudesse entrar na TARDIS e viajar no tempo, o que ele diria de ver sua obra-prima adaptada tantas vezes para as telonas, as adaptações para livros infantis, em HQ's, as diversas adaptações para o teatro... Talvez ele ficasse muito orgulhoso de sua obra ter dominado o mundo. Talvez começasse a se achar o cara. Talvez ficasse apavorado! Eu ficaria, com certeza, haha! Mestre Shakespeare, considere Romeu e Julieta minha carta de entrada no mundo da literatura clássica. Em meu último post eu comentei sobre qual foi o primeiro livro que eu apresentei em um seminário. Esse foi o segundo, e o que é mais engraçado, é que as meninas do meu grupo não entenderam o livro e jogaram pra mim. Desde então, me apaixonei pelo autor, e na facul, meu apelido era "Viciada em Shakespeare", rs!


Algodão Doce
 Um livro tão doce que enjoa:

Cara, já li muito livro meloso na adolescência, hoje em dia, meloso pra mim só o Sparks. É irônico, sou zero romântica e mesmo assim, ele é o meu autor favorito. Mas, o escolhido foi um da época da adolescência, esse aguinha com açúcar aqui da Katherine Applegate, O Amor Pode Esperar. Uma história bem bonitinha, até. Não me lembro os nomes das personagens, mas sei que uma menina se apaixona por um carinha novo no colégio e ele a convida para o baile, mas, ela descobre que a melhor amiga dela também tá afim do cara, e como a melhor amiga tem uma doença incurável, ela desiste do carinha e ainda o incentiva a namorar com a moçoila doentinha. É bonitinho, bem água com açúcar mesmo. Totalmente voltado para o público adolescente, eu peguei emprestado em algum lugar - não tenho ideia de onde ou com quem - li vários dessa coleção Primeiro Amor, e sabe, que escrevendo isso, até deu vontade de ler novamente? Vixiii... ALERTA, ALERTA, ALERTA!!! CECÍLIA ESTÁ TENDO UM ATAQUE DE ROMANTISMO ANORMAL!!! ALERTA! ALERTA! Ahahahahahaah!!! Aff, que besta que eu sou! Ok, me ignorem, próximo!


Jujubas

Um livro que todo mundo gosta e a leitura atual:

.

Acredito que todos gostem da Bília Sagrada, mesmo os que não creem nela, gostam de ler seus salmos e promessas. Fora que é importante termos palavras de consolo quando não conseguimos pessoas para nos consolar!






   A minha leitura atual é o livro de Ka Hancock Dançando Sobre Cacos de Vidro. Me apaixonei pela capa dele e minha manicure me emprestou, haha! Pegar livro emprestado com a manicure deve ser o cúmulo do abuso, hein? Ahahaha... Ainda estou bem no começo, mas estou adorando a história. 



Sorvete
 Um livro suave, com uma narrativa suave e uma escrita suave. Uma leitura suave:

Huuummm... Difícil de pensar em uma leitura suave... E após pensar bastante, escolhi Simplesmente Acontece da Cecelia Ahern. Descobri a pouco tempo que há Cecelia é cunhada do Nicky Byrne do Westlife. Vai ver por isso fez sucesso, as fãs do Westlife compram os livros dela. Algo do tipo: "Noooosssss... eu tenho o livro da cunhada do Bryan do Westlifeeeee..." Ahahaha... Me ignorem novamente! Eu era fã do Westlife, é verdade, mas eu descobri isso esses dias, e tenho livros dela há tempos, haha! E, finalmente, no último final de semana eu assisti esse filme. (Sam Claflin, amore! Ainda nessa fase, rs!)

Macarons
 Um livro que todo mundo já leu, menos você:


Todo mundo já leu esse bendito livro, menos eu. E o pior: eu nem tenho muita ideia do que esperar dele. Minha manicure que me falou um pouco dele, sem spoiler e me deixou ainda com mais vontade de ler Como Eu Era Antes de Você da Jojo Moyes. Eu ainda não tenho, então... Você que está lendo esse post, tem esse livro aí dando sopa e não leu e não vai ler, ou não gostou, ou não sabe porquê comprou, eu aceito doação! E, claro, se quiser comprar um e me enviar de presente, também aceito e nem fico brava, prometo, hahaha... Okok, três momentos mula em um só post é um recorde... Me ignorem pela terceira vez, rs! Ah! Não tenho ideia de que doce seja esse tal de "macaron", só sei que não tem nada a ver com macarrão, haha!



Pipocas

Um livro que na sua opinião daria um excelente filme:

Todo mundo sabe que sou Whovian, né? Eu gostaria muito de ver em tela o roteiro perdido de Douglas Adams para Doctor Who. Shada de Gareth Roberts é uma história,... como posso dizer... não tenho muitas palavras, acho que a palavra ideal seja S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L! Não consigo encontrar outro sinônimo para tal livro. Uma obra de arte mesmo, é uma pena as gravações terem parado e o público não ter tido a oportunidade de acompanhar em tela esse roteiro. Conta uma aventura com o 4º Doctor e a Time Lady Romanadvoratrelundar. Como esse nome era muito grande e o Doctor se embolava todo, ele pediu permissão para abreviar, e ela passou a ser chamada apenas de Romana. Eu no lugar dela aceitaria de bom grado, imagina só um nome desse tamanho. E a chamada na escola? Que horror, eu chamaria só de Rô, haha! Bom, como eu dizia ali em cima, essa aventura é com a Romana já regenerada - afinal, ela se regenerou por vaidade para ficar parecida com a princesa de um planeta que ela e o Doctor passaram, e não por estar morrendo - e com o nosso amigo de sempre K-9, o cão metálico mais fófis! (não, não é o Homem Aranha, rs!)


Twix, Lion e outras barras de chocolate

Um livro que traz muito pouco pelo preço que pagou:

Paguei bem caro em Doze Doutores, Doze Histórias - vários autores - e não me arrependo, mas, sinto falta de mais detalhes. Não que os contos não sejam bem detalhados por que eles são, em Doctor Who tudo precisa ser muito bem detalhado, senão, coisas ficam de fora e nós ficamos com aquela cara de "ué?", não é verdade? Mas, eu me lamento por ter tão poucas coisas. Achei muito legal o fato de alguns Doutores não estarem acompanhados por seus companions, mas por seres que conheceram em algum lugar do universo. O Nono mesmo, está separado da Rose por um minuto. Para quem assistiu a primeira temporada New Who vai sacar:  Doctor deixa Rose e Mickey após a mesma recusar seu convite de embarcar na TARDIS e um minuto depois ele volta e ela muda de ideia. A história dele acontece nesse minuto em outro fluxo temporal. Da hora, né? Mas, então, qual o motivo da reclamação? Simples: é Doctor Who!!! E sempre queremos mais e mais de DW!!!


Maçã do Amor

Qual o livro mais romântico da sua estante?



Não façam cara de surpresa! Eu disse que ele é o meu autor favorito, ué! Tenho vários dele, mas acho que o mais romântico é Diário de Uma Paixão. Comovente e lindo, lindo, lindo, lindo!








REQUISITOS EXTRAS - DOCES PORTUGUESES

OVOS MOLES DE AVEIRO

Um livro com uma capa neutra e sem vida, mas cujo interior seja bastante agradável:


Sejamos sinceros: quando que essa capa chamou a atenção de alguém? O conteúdo porém é de ouro puro. Essa só não é a minha saga favorita porque sou narniana de verdade, mas Jogos Vorazes de Suzanne Collins é um espetáculo! Já li três vezes cada livro e em breve estarei pela quarta vez na arena. Ah! E nem adianta me perguntar o que são "ovos moles de aveiro" porque eu não sei, isso é coisa dos caras lá da terra do bigodão. Eu imagino que deva ser algum tipo de... ovo mole... doce, ué!

PÃO DE LÓ

Um livro cuja desilusão foi tanta que custou engolir:


Eternamente falarei do meu descontentamento ao ler O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë. Achei que poderia se tornar um de meus favoritos, e é o contrário, um dos que mais detesto!

PASTEL DE NATA

Um livro pequeno, mas que te diz muito:



Já falei dele aqui outra vez, mas não custa falar de novo. uma linda mensagem de fé e esperança em apenas 24 páginas. Vale a pena! Foi Por Você, Ellen G. White, perfeito!

Então é isso, meus amores, espero que tenham gostado, e indico pra responder essa TAG os blogs:


Beijos e queijos!!!

terça-feira, 19 de abril de 2016

Dia do Livro Infantil

     Olá, pessoas!!! Tudo de boa?



    

Ontem, dia 18, foi comemorado o dia de Monteiro Lobato, ou dia do Livro Infantil. Me lembro com muito carinho dos meus primeiros anos e de meus primeiros livros. Assim que aprendi a ler, desenvolvi um gosto maravilhoso, e quero compartilhar com vocês alguns dos livros mais queridos que toda criança / adolescente deveria ler. Confesso que alguns da lista eu já li adulta, mas acho que toda criança que tiver oportunidade de lê - los ainda criança, terá uma visão diferente, mais fantasiosa. 

     Bora?


O Indiozinho Amazonas - Jannart Moutinho Ribeiro.

O primeiro livro que li na vida foi esse. Na verdade, ele faz parte de uma coleção que conta com "O Pequeno Cangaceiro", "Viagem pelo Brasil do Indiozinho Amazonas", "O Pequeno Bandeirante" e por aí vai. Ganhei essa coleção assim que aprendi a ler, e me encantei principalmente pelas gravuras. Muito fofo! E aos dez anos, eu doei esses livros para a biblioteca da escola que eu estudava! Já pensou se eu ainda tivesse essas relíquias? Nunca mais vi nenhum desses livros, infelizmente!



O Casamento da Emília - Monteiro Lobato

Falando em Monteiro Lobato, creio que todos já tenham lido algo dele. Na faculdade mesmo, me lembro de um seminário que meu grupo fez sobre Lobato, e eu fui a Narizinho. Pela primeira vez eu não estava vestida de uma forma "miquenta" (acho que acabei de inventar uma palavra, rs!). Li O Casamento de Emília aos dez / onze anos, e achei o máximo ler algo de uma boneca se casando com um porco, hahaha! Adorei depois o fato de a Emília ter se tornado a "marquesa", como o Visconde gostava de chamar. Lobato criou um mundo literário tão bonito, e é tão fascinante ver como ainda encanta as crianças, mesmo elas sendo bem menos inocentes do que foram na minha época...






                                   A Hora do Amor - Álvaro Cardoso Gomes


Na mesma época que li O Casamento da Emília, eu li A Hora do Amor, e gente, vou falar: sou até hoje completamente apaixonada por esse livro. Ele conta uma história tão bonitinha! E se passa anos até chegar no final. A história começa com o Beto com onze anos contando potoca (mentindo) e termina com ele indo pra faculdade. Ainda tem um outro livro chamado "O Diário de Lúcia Helena", que é a mesmíssima história, só que do ponto de vista da garota. Eu adoro!


O Menino do Dedo Verde - Maurice Druon
Esse eu sei exatamente o dia que li: aliás, sei exatamente o dia, mas não sei a data, rs! Li esse livro um dia depois da minha formatura do Magistério, era uma quarta - feira em dezembro de 2002. Acordei e fiquei embaçando na cama, peguei o livro e o li em duas ou três horas. Me acabei de chorar!!! Que história fófis, bonita, triste... E no final, eu não imaginava o que Tistu representava. Tem um parágrafo que gosto muito, vou citá-lo aqui:
"- Então, Tistu - perguntou ele - que foi que você aprendeu? Que sabe de medicina?
- Aprendi - respondeu Tistu - que a medicina não pode quase nada contra um coração muito triste. Aprendi que para a gente sarar é preciso vontade de viver. Doutor, será que não existe pílulas de esperança?"

Lindo, né? Super recomendo!!!



O Grande Escarcéu   - Eliane Maciel

Gente, eu AMO esse livro! Ganhei de uma colega quando tinha dezoito anos e li pelo menos umas nove vezes. Facinho de ler, leitura gostosa, é uma história muito doida! Bel Escarcéu como era chamada por sua família sofria de um grande mal: imaginação desembestada! E, um dia, cansada da sua vidinha, ela tem uma ideia que revoluciona a escola toda, e Bel descobre finalmente um sentido para toda aquele coisa chata chamada adolescência, pois, sua filosofia de vida até então era "crescer dói!". Maciel além de autora é jornalista, e me lembro de ler algo naquela página dedicada ao autor que me chamou muito a atenção: ela é apaixonada pelo Tom Cruise. Bom, eu também! Hahahaha! 





                                  Spharion - Lucia Machado de Almeida


Quem foi adolescente em meados da década de 90 - acho que até antes disso, é que eu era adolescente em meados de 90, rs! - já leu algo da Série Vaga-Lume. Spharion conta sobre um minerador que morava em Minas Gerais e também um assassino que deixava como pista as iniciais de suas vítimas. A autora não perde em nada para Agatha Christie. Uma história sensacional, assim como toda essa série. Eu adorava, li vários, tinha medo dessa capa com a cabeçona do minerador aí, e me lembro que meu primeiro seminário apresentado na vida, foi sobre esse livro. E vocês viram que estreou semana passada "O Escaravelho do Diabo"? Ainda vou assistir esse filme, vamos ver se está tão bom quanto o livro, o trailer está sensacional!

Peter Pan - JM Barrie

Já falei N vezes que meu conto de fadas favorito é Peter Pan. Sempre fui apaixonada pela Terra do Nunca. Já fiz um "Vida e Obra" de JM Barrie aqui, já indiquei o livro aqui, e confesso, que é um dos livros mais lindos que já li. Li no meu penúltimo ano de faculdade e li mais uma vez depois disso. Chorei bastante, Barrie era um grande autor, sem dúvida! Viveu bastante, porém, sua vida foi regrada de perdas e decepções, mas sempre tentou olhar pelo lado positivo e tirar coisas boas de tudo. Grande homem esse Barrie, e Peter Pan até hoje nos encanta!
Gostaria muito de ter lido Peter Pan enquanto era criança ou adolescente, mas a ordem foi inversa, rs! Aos doze eu estava lendo Shakespeare, aos catorze comecei a ler Machado, e só após adulta tive acesso a livros como esses que estou citando. Um ou outro li na época certa. Se bem, que não há uma época certa para ler  esse ou aquele livro, só acho que poderia ter aproveitado mais enquanto era mais nova. Talvez a psicologia explique essa minha mania de gostar de cadernos e camisetas do Mickey como infância atrasada, hahaha! 

                         Pollyanna - Eleanor H. Potter



E como falar em ver o lado positivo da vida e não pensar nela? Pollyanna eu li ainda adolescente. Cinco anos atrás, li novamente e em seguida li "Pollyanna Moça". Que história linda e cativante! Não vou falar muito desses livros aqui, vou ver se tenho um tempinho pra ir até à biblioteca pegar esses dois livros e resenhá-los aqui, pois se for fazer uma resenha baseado no que li há cinco anos, talvez não faça jus a maravilha que é essa obra.

A Droga da Obediência - Pedro Bandeira

Fantástico! Me lembro de ter lido dias depois de ler "O Menino do Dedo Verde". Pedro Bandeira é um gênio da literatura infanto juvenil, uma pena que conheci seus livros após os dezoito anos, teria curtido muito ler enquanto era adolescente. Mudei a ordem cronológica das coisas, lembra? Esse foi o primeiro livro dele que li, e já li vários outros depois. "A Droga da Obediência" é a primeira aventura dos Karas. Vale a pena, quem não conhece, não sabe o que perde, rs!


                            O Menino Maluquinho - Ziraldo


Tem como falar da infância e não pensar no Ziraldo? Hoje faço projetos sobre as obras de Ziraldo com meus alunos para que tenham a oportunidade de conhecer esse grande autor enquanto ainda são crianças. Li "O Menino Maluquinho" com onze anos e não entendi o motivo de ter chorado no final do livro. Li novamente já adulta (e leio sempre que dá vontade, rs!) e descobri: na época que li, já estava tendo uma prévia de como era ser adulta. Quando eu tinha oito anos, uma de minhas sobrinhas veio morar com meus pais e eu, e ela passou a ser minha responsabilidade. Eu só tinha oito anos, estava na terceira série, e tive que aprender a trocar fraldas, dar banho e pentear uma criança, dar comida e fazer dormir. Aos poucos, ensinei a Ana a andar, falar, e escrever seu nome. Quando ela foi para a escola, eu tinha apenas doze anos, e fui eu quem a acompanhou no primeiro dia de aula, era eu quem participava das reuniões de pais, que a levava ao dentista, e até hoje tenho a primeira lembrança de dia das mães que ela fez, e presenteou a mim. Aos onze anos conheci esse Menino lindo do Ziraldo, e, quando li que o Maluquinho cresceu e se tornou um cara legal, chorei porque ele perdeu a infância... (hum... Talvez seja por isso que eu goste de Peter Pan, porque ele não cresce? Faz sentido...) Decidi que seria como o Menino Maluquinho, que tentaria aproveitar minha infância com a Ana, e que quando crescesse, seria uma mina legal. Se sou legal atualmente? Acho que sim, rs!

E...
Para finalizar, não consegui pensar em um livro mais da hora que esse, que representa a infância de muita gente:


No início da década de 90, nós alunos de escola pública, aprendemos a ler e escrever - isto é, quem conseguiu aprender, rs! - com a Cartilha Caminho Suave, de Branca Alves de Lima. Fui uma das primeiras alunas a aprender a ler, e pensa na minha emoção quando cheguei nas sílabas complexas e a primeiras eram o "Ce" e o "Ci". Minha professora pediu para eu ler o pequeno texto e quase chorei de emoção ao ler que falava sobre a menina Cecília. Fiquei toda boba com um sorriso de orelha a orelha. E me lembro que tinha um tal de Paulinho na classe que ficava tirando sarro desse fato e que fazia questão de falar que eu não era a Cecília do livro. Boboca! Hahaha!

     Enfim, amores, está aí mais um post, e bah, essa Cartilha aí me fez voltar cem anos... Bem, essas são as dicas de hoje, espero que tenham gostado. Conhecem algum desses livros? Comentem! Não conhecem? Comentem também, ué! 

Beijos pro cês...


segunda-feira, 11 de abril de 2016

Apenas um post de desabafo...

Hello, Sweeties, tudo bem?

     As coisas pra mim estão meio tristonhas... Amanhã faz seis anos. Seis anos que meu pai fechou os olhos para sempre. Seis anos que não brigo mais com ele, seis anos que não rio mais com ele. Seis anos que não ficamos horas sentados contando histórias, seis anos que não ficamos sentados olhando o tempo, ou os fogos de artifícios. Seis anos que não comemoro seu niver, seis anos que não encerro uma briga cantando "Once Upon a Dream", enquanto o puxo para uma valsa, imitando a Aurora no desenho da Bela Adormecida - como se eu (ou ele) soubéssemos dançar valsa, hahaha! Seis anos que pensei que nunca seria possível chegar até aqui. Mas cheguei.


     Meu pai me viu dar muita cabeçada, sabe. Me xingou muito, mas torceu muito por mim. Me viu entrar na faculdade, mas não me viu sair de lá com um diploma na mão. Me ouviu falar de sonhos de estudar mais e mais, mas não teve a oportunidade de me ver feliz ou triste por causa do excesso de trabalhos dos professores malas da pós - graduação.
     Semana passada eu me perguntava o motivo de eu estar tão mau humorada - detalhe: sou mau humorada sempre, mas estava demais, haha - e, hoje eu me lembrei: é porque faz seis anos. Não é uma dor que se esquece, quem fala que esquece é mentiroso. Também não fica mais fácil, pois a saudade é terrível! Mas, aprendemos a sobreviver. É assim com tudo na vida, não é mesmo? Passamos por altos e baixos, mas por fim, sobrevivemos.
     Sinto falta do meu pai. Muita mesmo! Não imaginei que fosse possível sentir tanta falta assim de alguém, mas eu sinto. Portanto, esse post de hoje, é mais pra colocar isso pra fora mesmo, afinal, esse ano, decidi não fazer diário. E olha que faz mais ou menos 15 anos que escrevo em diários, é até esquisito não fazer um!

Um grande e apertado abraço de urso pra vocês, meus amores!

Beijoooo! (^.^)




Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por