quarta-feira, 18 de abril de 2018

{{BEDA #18}} - #GrupoDeApoioAosNacionais

    Oissss...

E hoje estou aqui mais uma vez para falar sobre esse projeto lindo que minha amiga Tali do IG Pinguim Literário e a Marcelle do MNLucena estão nos proporcionando. O projeto existe há três meses, e conheci três autoras incríveis só esse ano. 

    Ontem eu trouxe a sinopse de um livro e um conto da série Mercy Bay, e hoje trouxe a sinopse do segundo livro da série, só que o foco dessa vez não é na Zoe. Bora conhecer?



Imagem MLC
SINOPSE: Crescendo no sistema de adoção, Andy foi deixada com muitas cicatrizes - físicas e emocionais. Ela nunca teve uma família e por isso jurou a si mesma que jamais precisaria de alguém. Andy corre atrás do que quer e sempre consegue o que está determinada a ter. Menos CJ.
Sério e extremamente sexy, CJ é um policial que acabou de se mudar para San Francisco, e parece que gosta de ficar de olho em Andy. O problema é que isso é tudo que CJ faz. O flerte, que começou misterioso e sensual, está deixando Andy impaciente e frustrada. Por que ela não consegue simplesmente ir até ele? O que ele quer?
Em meio a uma conturbada relação, uma criança chega à emergência com ferimentos que lembram Andy de sua infância. Ela precisa ajudá-lo, mas como essa situação vai mudar a relação entre os dois? Pode isso ser o começo de algo ainda maior na sua vida, ou as cicatrizes são profundas demais para serem curadas?

    E aí, o que acharam? Eu fiquei curiosa. As Cicatrizes de Andy está disponível na Amazon, para adquirir o seu, clique AQUI

    Galera, bora valorizar nosso produto nacional! Até pouco tempo atrás, eu só lia nacionais de autores grandes, sabe, não sabia que tinha tanta gente maravilhosa que batalha para conseguir um espaço no mercado editorial. Fora que não precisa ficar só no que eu trago aqui, bora procurar na Amazon, ou nas plataformas gratuitas do Wattpad, Spirit, Nyah!, além dos blogs onde muitos usam para escrever seus contos, crônicas, poesias e textos. Com todo mundo fazendo isso, vai ficar mais fácil para as editoras nos aceitarem assim como aceitam material estrangeiro. 

Por hoje é só, amanhã trago mais um pouquinho da Layla pra cá!

   Beijooooo!


terça-feira, 17 de abril de 2018

{{BEDA #17}} #GrupoDeApoioAosNacionais

    Olááá-ááá-ááá people!

Não vou me demorar, apenas passando para indicar dois livros da Layla Casanova. Aliás, dois livros, não, um livro e um conto. É a trama de Zoe e sua coisa com ER, rs.

    Bora lá?

Imagem MLC


Imagem cedida pela autora
 SINOPSE: Depois de um período fora do país, Zoe finalmente sabe que rumo dar a sua vida. Deixando para trás carreira, cidade e um antigo amor, Zoe muda-se para San Francisco e começa sua residência em medicina de emergência.
Recém-chegada ao Hospital Geral Mercy Bay, a ideia era focar na sua carreira, mas, quando ela esbarra no bombeiro mais quente da cidade no Pronto Socorro, tudo muda. Adam é bonito, engraçado e empenhado em salvar as pessoas, e Zoe percebe que não vai conseguir ficar longe dele desde o seu primeiro encontro. O problema é que as complicações de um relacionamento não estavam nos seus planos.
Zoe acabou de descobrir o poder das segundas chances ao mudar de emprego, mas, será que Adam conseguirá lhe mostrar o poder de uma segunda chance para o amor também?

    E aí? O que acharam? Está disponível na Amazon em eBook. Para comprar, clique AQUI.

Imagem cedida pela autora

E temos aqui o conto Um Namorado para Zoe. A sinopse dele é engraçada, confira aqui:

SINOPSE: Depois do início arrebatador em A Segunda Chance de Zoe, eles estão de volta!
É Dia dos Namorados e Zoe planejou a noite perfeita para ela e Adam. Só que as coisas não acontevem exatamente como ela tinha planejado. Conto 1.5 da série Mercy Bay. 

    Conto 1.5 porque é entre o primeiro e o segundo livro. Curti isso. Um Namorado para Zoe também está disponível na Amazon, clique AQUI para adquirir o seu.

E amanhã eu trago mais coisas da Layla Casanova, okok?

Beijooooo

{{BEDA #16}} #GrupoDeApoioAosNacionais

    Oi gente!
Essa semana retomamos o projeto mensal de indicação de autores nacionais. Esse projeto foi criado pela Tali e pela Marcelle, meninas ótimas que nos deixam sempre por dentro do que tá rolando no mundo literário nacional.

Imagem GAAN

E dessa vez nossa escolhida para conhecermos mais sobre ela e sobre suas obras é a autora Layla Casanova.

Imagem GAAN


Layla Casanova é o pseudônimo de uma geminiana apaixonada por romances médicos e drama; encontra inspiração em Shonda Rhimes e velhos episódios de ER –Plantão Médico, enquanto passa os dias desejando ter um McName próprio e um pager. Quando não está escrevendo, pode ser encontrada atualizando suas séries, lendo, chorando a morte de personagens fictícios ou chamando a cardio. Saiba mais sobre a série Mercy Bay em: https:// www.facebook.com/ serieMercyBay/.

    Essa semana estaremos coladinhos com a Layla. Fique por aqui para não perder nada!

Beijoooo

domingo, 15 de abril de 2018

{{BEDA #15}} Gostaria de Desler

    Hey, everyone!
Muito tempo atrás minha amiga Babi Bueno do blog Meu Mundinho Quase Perfeito me deixou um desafio lá no Instagram. Que eu postasse uma foto de um livro que eu gostaria de "desler". Claro que eu pensei em O Morro dos Ventos Uivantes, mas, resolvi tentar outro, afinal, não gostei de um monte deles, rs.

    Resolvi então pegar um da minha estante, o que foi meio difícil, pois, não gosto de ficar com livros odiados, rs. Então, resolvi falar sobre o mais recente detestável, Feitiço, da saga Encantadas.

Imagem MLC

     Lembrando que isso é um gosto pessoal meu. Acabei de entrar num blog que a mina amou a saga e Feitiço é o favorito dela. Que bom que cada um tem seu gosto, como sempre digo, o que seria do azul se todos gostassem do amarelo?

     Por que eu não gostei: 
  • Achei a Cinderela uma baita duma criançona, só queria saber de ser princesa, pisava muito em quem quer que fosse - inclusive em seu pai -, era mimada, gananciosa e safada demais, um fogo no rabo que ninguém apagava, credo!
  • O Príncipe Retardado foi a maior decepção dos três livros, mas, creio que tenha sido intencional. Só que em Feitiço ele é odioso, nojento, pica fumo e sem noção.
  • A Branca de Neve já tava lá quieta, já tinha encontrado seu final ótimo lá em Veneno, mas, a autora tinha que trazer ela novamente. Que final foi aquele? Bem besta, eu não gostei. Se fosse algo que estivesse acontecendo com o tempo, eu entenderia, mas... Não!

    Enfim, Feitiço está na lista dos não lerei nunca mais, e se pudesse, sim, eu "desleria" ele. E você? Qual livro você gostaria de desler?

Beijoooo

sábado, 14 de abril de 2018

{{BEDA #14}} - Citações de O Incrível Mundo das Animações – Imaginago


    Hello, Sweeties!

O Incrível Mundo das Animações nos traz lições de vida que o autor Thiago Augusto - vulgo, Imaginago - tirou com o passar do tempo em sua vasta estrada acompanhando os filmes da Disney e tirando o necessário para se viver bem.

Imagem MLC
 Bora lá?


“Faça bons amigos, mantenha-os por perto e sentirá a diferença. [...] A amizade verdadeira e ter companheiros que estão ao seu lado para enfrentar os momentos ruins que estão ao seu lado para enfrentar os momentos ruins fez toda a diferença” (p.42 – Mogli)

“A única coisa que vale nutrir, de fato, é a desconfiança em relação aos amigos que criticam os seus sonhos e podam aquilo que o faz feliz. Amigo é quem o ama e apoia incondicionalmente, e com quem você se sente confortável sendo justamente si próprio” (p.67 e 68 - Dumbo)

“Quantos de nós já não nos sentimos igualmente deslocados, com a sensação de que o mundo nos julga pelo nosso jeito de pensar e agir? Ser diferente nos ensina, às vezes de forma muito dura, que o mundo tem grandes dificuldades em aceitar o que está fora do padrão esperado, e isto vale para tudo, desde as roupas que usamos até quem escolhemos amar. Por isso, quando encontramos alguém com quem nos identificamos, essa dor de ser diferente diminui – enxergamos no outro os nossos próprios traços, e este reflexo nos aproxima” (p.73 – Lilo & Stitch)

Imagem MLC



“Não podemos fugir das nossas responsabilidades e tampouco mudar o passado, mas podemos aprender com ele e, assim, modificar nosso futuro” (p.86 – O Rei Leão)

“A vida, portanto, é para quem se abre a ela, passando por altos e baixos e absorvendo o aprendizado necessário para se tornar alguém melhor. Não tenha medo de ser diferente de ontem e de amanhã[...] (p.92 – A Dama e o Vagabundo)

“Lute, persevere e não desista de tornar seus sonhos realidade. Porém, não sacrifique a tudo e a todos em prol de um único objetivo, afinal, aquilo que mais nos completa pode já estar dentro de nossa própria casa... ou de nosso coração” (p.98 – A Princesa e o Sapo)

“A perda nunca será algo bom para ninguém, mas a maneira como lidamos com ela é que é fundamental. [...]. É importante estarmos cercados por pessoas que desejam e lutam por nosso melhor, pois são pilares para seguirmos em frente. Ter pessoas desse valor, sejam parentes ou amigos, ameniza nossa dor, pois são fontes de inspiração. (p.103 – Operação Big Hero)

Imagem MLC

“É preciso, portanto, nos livrarmos das amarras que nos impedem de sermos nós mesmos e percorrer o caminho do autoconhecimento, jamais esquecendo que, ao nosso lado, temos pessoas cujo amor puro e incondicional nos lembra a razão pela qual vale a pena viver neste difícil e fantástico mundo” (p.115 – Frozen)

“Reveja suas ações em relação ao outro [...] Veja além das aparências e pense no bem do outro [...] Nunca deixe a bondade dentro de si se esvair, mesmo quando o mundo mostrar sua pior faceta. Afinal, o que mais importa não é o que você aparenta ser, mas, aquilo que você é e o que pode oferecer de bom. Viva, portanto, pelo bem de todos e de si próprio” (p.144)

“Sempre que estiver em dúvida sobre o que é certo para si próprio, deixe o que há de mais profundo em você guiar suas decisões. E mesmo que a resposta encontrada não coincida com a felicidade, ao menos você estará em paz consigo mesmo. Você afinal, é a única pessoa que estará contigo até o último suspiro, logo nada é mais fundamental do que ser fiel a quem você realmente é por essência” (p.149 – O Caldeirão Mágico


   Beijoooo =)

sexta-feira, 13 de abril de 2018

{{BEDA #13}} - Resenha #75: Poder Sarah Pinborough

 Olá de novo! Finalmente estou aqui para falar do terceiro livro da saga Encantadas. É o melhor de todos, na minha opinião.

Na verdade, se fossemos colocar por ordem cronológica dos acontecimentos, esse seria o primeiro, Veneno o segundo e Feitiço o terceiro, pois, em Feitiço temos o fim para duas das histórias e uma terceira fica em haver, mas, nada que realce a curiosidade. Sério!


Imagem da internet


SINOPSE: Quando um príncipe mimado é enviado por seu pai para tentar desvendar os mistérios de um reino perdido, ninguém imagina os perigos que ele encontrará pela frente! Acompanhado da figura sóbria e sagaz do Caçador e de Petra, uma jovem valente que possui uma ligação muito forte com a floresta, o príncipe acaba encontrando um reino adormecido por uma estranha magia. Todos os seres vivos foram cercados pela densa mata e estão dormindo, em um sono pesado demais, que só poderia vir da magia. Mas que tipo de bruxaria assolaria uma cidade inteira e seus habitantes? E, principalmente, quem faria mal a uma jovem rainha tão boa e tão bela? A não ser, claro, que os olhos não percebam o que um coração cruel pode esconder...

     Aqui nós encontramos dois velhos conhecidos dos dois outros livros: o Caçador e o príncipe pica-fumo. Em uma bela manhã, o rei e a rainha estão conversando sobre o fato de eles terem mimado demais seu filho e que ele precisa de uma aventura para se tornar um homem de verdade, afinal, todo futuro rei, precisa de uma aventura. O bisavô do príncipe mesmo, havia sido um grande rei, e contava uma história sobre ter resgatado uma moça da torre de um castelo subindo pelos cabelos dela. Estava na hora então, do filho viver sua própria aventura. Ele ouvia há muito tempo falar de um reino adormecido, e incumbiu seu filho de conquistar tal terra. Para isso, o príncipe precisaria de um backup, e foi quando o Caçador foi chamado. Ele era o melhor no que fazia, mas, mesmo assim, o rei o ameaçou e ameaçou seu povoado, dizendo que se o filho não voltasse vivo, sua gente sofreria as consequências. O Caçador não se deixou intimidar, e prometendo dar o seu melhor – e super irritado por bancar a babá do almofadinha real – partiu com o príncipe para a floresta.
     
     Já na floresta, eles encontraram uma casinha fófis que estava sendo atacada por lobos, e enquanto a vovó dona da casa se escondia no armário, Petra, a neta, já estava com tudo sob controle. Petra amava a floresta, e sua ligação com a natureza a levara até os muros de árvores, onde uivava um lobo, e cada vez que ouvia o uivo, fascinada, uivava de volta, sabendo que de certa forma, a criatura ouviria seu chamado. Após alimentados, descansados e abastecidos, continuaram a viagem e levaram Petra com eles, pois, sua avó insistia que uma mulher também precisava de aventuras. Ao chegarem no local, eles tentaram por horas a fio cortando árvores, mas, a floresta não ajudava muito. Após conseguirem finalmente entrar, ficaram aterrorizados com o fato de todos estarem dormindo como se tivessem parado suas obrigações e simplesmente desmaiado. Invadiram a casa de uma bruxa morta – morta mesmo, pois, só o esqueleto dela estava em cima da cama com um punhal cravado – e o Caçador encontrou algo que ele levou com ele – que foram apresentados para nós em Veneno e usado em Feitiço – e seguiram rumo ao castelo.


Imagem MLC
      Ao chegarem no castelo, se separaram, viram coisas estranhas, mas, a mais estranha de todas quem viu foi o príncipe, que gritou por eles de um dos quartos. Ao chegarem no quarto, uma moça extremamente linda estava deitada com uma poça de sangue em volta de sua cama, com gotas de sangue caindo de seu dedo. O príncipe estava encantado pela moça, e passava as mãos por seu corpo de maneira leviana, o que fez com que Petra ficasse revoltada com ele. Simultaneamente, duas coisas aconteceram: o príncipe beijou a moça e o Caçador fez um curativo estancando o sangue, e a jovem acordou junto com todo o reino. Após o alvoroço inicial, ela só sabia que Rumpelstiltskin havia feito aquilo com ela, mas, não sabia o motivo, pois, ela o amava como a um tio, uma vez que ele era o homem de confiança e melhor amigo de seu pai. O primeiro-ministro então, chamou o Caçador e Petra, e pediu que na calada da noite, eles saíssem e procurassem por Rumpelstiltskin e o levassem vivo para o castelo, pedindo que não confiassem nos soldados.

      Após o Caçador conseguir uns favores com uma das criadas, esta, lhe contou uma história estranha, que a rainha Bela tinha uma irmã gêmea que era o cão mascando mariola, e que Bela deixava com que a irmã ficasse a frente do reino por alguns dias. Os dias escuros, como eram chamados, vinham seguidos por mau tempo e tempestades horríveis, com relâmpagos que cortavam o céu e trovões estrondosos. Enquanto Bela, com seus lindos cabelos negros e duas mechas louras estava no comando, tudo estava bem, porém, quando a Fera, com seus cabelos louros com mechas escuras comandava, o reino se apavorava. O Caçador e Petra com sua capa vermelha – viu quem é a moça? – foram buscar pelo cara que amaldiçoou o reino, o príncipe zé ruela ficou no castelo, pois, havia pedido Bela em casamento. Notou que esse príncipe não perde tempo, né? O que ele não imaginava, é que nesse meio tempo, apenas um dia após o reino ter sido despertado, a Fera resolveu que precisava ficar no controle por um tempo. Já na floresta, o Caçador e Petra encontram quem eles procuravam e alguém mais, que os colocam a par de tudo o que aconteceu e tudo o que poderá acontecer se não agirem rápido.


Imagem da internet
    Repito que Poder é de longe o melhor dos três livros. Aqui conhecemos um pouquinho mais do Caçador e seus sonhos - literais -, e então, entendemos o motivo da escolha dele em Feitiço, e também descobrimos como ele foi parar nas terras do reino de Branca de Neve. Também descobrimos como o príncipe e ele se separaram, e como o mimadinho foi parar próximo à cabana dos anões. E lá no final de Feitiço, o príncipe fala algo para uma pessoa, na última linha do livro, e, após lermos esse, desvendamos o mistério. Como disse uma vez, uma história se interliga na outra, e esse seria o primeiro livro em ordem cronológica. E claro, que ela colocou uma cena hot em um momento nada a ver. Essa autora queria por que queria cenas fortes em livros nada a ver. Porque raios os autores fazem isso? Tem livro que não precisa!!! Ao final do livro ainda, contamos com uma entrevista da autora que eu gostei muito, e descobri que ela escreveu dois romances da série Torchwood (Whovians!!!). Na verdade, eu não gostei da entrevista, gostei muito de saber que ela escreveu para Torchwood... Se bem que não curti muito Torchwood, só acompanhei por que era um spin-off de DW... Enfim, focus, Cecília, focus! Agora, o que me surpreendeu foi uma cena de orgia horrorosa que me lembrou muito a cena do filme De Olhos Bem Fechados (Eyes Wide Shut), com meu Tom lindo e sua então esposa, Nicole Kidman como protagonistas. 


Imagem da internet
     Tenho que contar isso para vocês: eu estava assistindo esse filme uma vez, eu tinha uns dezessete anos, e eu tinha alugado o VHS dele. Sabia que meu pai não me deixaria assistir de noite, pois, eu tinha alugado um para ele também, e ele iria ver após o Jornal Nacional (e só tínhamos um vídeo cassete), então, coloquei durante o dia. O que eu jamais imaginaria, era que no meio do filme, tinha uma cena enorme de orgia, e eu que já fico sem graça com isso, estava meio que vendo, meio que não vendo. De repente, do nada, o pai entrou na sala e resolveu que queria conversar comigo! Imediatamente, eu peguei o controle e com toda a minha força, mudei para a TV antes de ele entrar definitivamente, ele falou algo quando estava indo em direção à sala, então, deu tempo de mudar para a TV. Quando ele me perguntou o que eu estava assistindo, olhei para a TV com os olhos esbugalhados, e, descobri que estava na Cultura passando um desenho, e eu na maior cara de pau disse: “Desenho, pai!” Para piorar tudo, ele me perguntou qual era o desenho, e eu fiquei olhando pra TV que nem uma tchonga, tentando descobrir que bagaça era aquela. Só via que tinha um ursinho lindo e bem vestido e uns outros bichinhos que estavam por lá o chamando de Rupert. Aí, novamente, com a cara deslavada disse: “Rupert, pai!” Nunca soube se ele caiu no conto do vigário ou não, só sei que depois de quase uma hora ele saiu da sala, eu ainda esperei mais meia hora - por garanntia, rs - até que coloquei novamente o filme e adiantei aquela cena, hahahahah. Nunca mais assisti esse filme de novo, mas, essa cena me veio imediatamente à cabeça, quando notei que a descrição da autora era bem similar com a do filme. Vai ver, ela também assistiu a esse filme e ficou sem reação por algum motivo, vai saber, rs! Em todos os três tem cenas hot, e essa da orgia foi até mais fraca comparada com uma cena que tem em Veneno. E as capas da saga? Maravilhosas! Todas! A capa de Veneno é a minha favorita!

Enfim, vou parando por aqui, ficou imensa essa resenha.

Poder (Beauty) – Sarah Pinborough. Única Editora, 223 páginas. Desse eu realmente gostei, só esse presta!

    

quinta-feira, 12 de abril de 2018

{{BEDA #12}} Conto: Baú de Outono - Tay Lopes

     Hey, hey cumpadis e cumadis... Cês tão bão? Aqui tá bão tamém....

Hoje vim apresentar um conto muito bonitinho da Tay Lopes, parceira do blog que está disponível lá no Wattpad, conto esse que ela dedicou ao seu avô. Bora conhecer?

Imagem do Wattpad
SINOPSE: "Talvez ele se perca entre tantas outras histórias.
Talvez alguém o leia.
Talvez ninguém se importe.
Talvez você seja jovem demais e talvez compartilhe esse segredo...
Existe um lugar dentro de você onde as lembranças são eternas por mais que seu corpo falhe, por mais que sua mente te traia... Um sussurro no velho sótão.
Um conto a mais no meu antiquado coração."

     Baú de Outono traz um conto simples, juvenil que nos leva a lugares longínquos de nossa mente e nos faz voltar a infância. Ao menos foi assim que me senti. Vemos a trama de July, uma menina de 16 anos que está sofrendo com o coração partido. Ela chega em casa e fica pensando na vida, em sua mãe que se acomodou com um casamento de aparências, em seu pai que se tranca em seu escritório após dar um tostão de atenção para sua família, em seu coração partido achando que vai durar para sempre, voando com os pensamentos. Enquanto está lá pensando na morte da bezerra, sua mãe tira sua concentração ao lhe pedir que chame seu avô para almoçar. A menina correu para o sótão onde o avô se encontrava e ao chegar lá se deparou com o avô longe em suas lembranças. 

    Conversaram um pouco sobre o clima, sobre a lanterna que não funcionava, sobre o fato de o homem já estar co idade avançada e não poder correr com ela pelo parque, ou consertar as coisas, ou até mesmo sobre ele estar fraco a ponto de não conseguir levantar uma caixa de ferramentas. Falaram também sobre a avó da garota.  Ela queria saber como o avô sabia que sua esposa era a mulher ideal. Observou uma foto de sua avó nas mão já envelhecidas e calejadas de seu amado vovô, e prestou atenção em diversos objetos que ele tirava de uma caixa. E enquanto ele passeava por suas lembranças naquele objetos, July observava atentamente o avô, e notou que apesar de ser feliz, ele ainda sentia uma solidão que ninguém poderia entender, uma saudade doída que estaria sempre presente...

Imagem da internet
    Ela então percebeu que generalizava seus sentimentos pensando que sofreria para sempre com aquele coração partido, enquanto seu avô vivia ali com a saudade sempre presente, com um coração verdadeiramente partido. Acho que se eu fosse ela, me sentiria o pior dos seres humanos por pensar tanto assim em mim. Mas, os adolescentes fazem isso, não é? Duvido que quando eu era adolescente pensasse mais nos outros do que em mim mesma, rs.

"Algumas pessoas provam que o para sempre quando é verdadeiro não tem um fim absoluto."

    Naquele momento de intimidade entre ela e seu avô, July cresceu. Já assistiu ao filme "Em Busca da Terra do Nunca" com o Johnny Depp e a Kate Winslet? (Qual, aquele que você quase morreu de chorar na frente dos outros? Hahahah) Há um momento naquele filme onde um dos garotos conversa com o personagem de Depp, e de repente ele olha ternamente para o garoto e diz que naquele momento ele cresceu. Tive exatamente essa mesma sensação nesse conto. Nesse momento. July cresceu. Ali, com seu avô, rodeados de lembranças, no sótão escuro. Ela cresceu. E naquele momento, ela escolheu guardar juntamente com as lembranças de seu avô em seu próprio baú aquelas lembranças.


Imagem relacionada
Imagem da internet
      Fala que não é fofo demais isso, gente? Eu não convivi tanto assim com meu avô, meus avós paternos faleceram antes de meus pais se casarem e minha avó materna faleceu quando eu era bem pequena. Apesar de ter uma ligação legal com meu avô, ficava meio enciumada por ver como era a relação dele com meus primos que moravam mais próximos dele. Conforme fui crescendo, deixei aquele ciúme besta de lado, e passei a curtir mais aqueles momentos. Foi duro quando o perdi, mas, carrego lembranças infinitas. E creio que esse conto é pra isso, pra mostrar para os leitores que por mais que o tempo passe, nós sempre seremos lembrados, pois alguém guardará nossos momentos bons em algum baú escondido em um sótão por aí.

     Gente, pra quem é desses que como eu, vive comendo bola, prestem atenção: esse conto vai sair do Wattpad em menos de um mês, pois, fará parte de uma antologia pelo Clube de Livros ainda esse ano com o nome "Memento Mori" e estará disponível na Amazon. Então, leia lá, mas é claro, esteja esperto para dar uma força quando sair a antologia também, rs!

      Então era isso, chuchus da minha marmita, amanhã trago uma super resenha, tá bom?

Beijooooo

Próxima Página Home
Layout criado por