segunda-feira, 2 de julho de 2018

Resenha #80: Como Chegamos Até Aqui? - RM Cordeiro

     Olá leitores, tudo bem?
Ainda no Paraná, volto na terça pra casa, o problema e que agora estou sem computador, o notebook resolveu pifar, então, estou digitando pelo celular, o que é horrível e a resenha será miojo, bem menor do que o normal, rs. Mas, o livro é mara, então, tá valendo, rs.

Bora lá?

Imagem cedida pela autora 

Sinopse: Júlia uma jovem professora desempregada, tenta seguir em frente buscando oportunidades, sem se prender ao seu passado turbulento e cheio de privações e dores. 
Leandro vive na fazenda que pertence à sua família e leva uma vida relativamente tranquila, pautada pelo trabalho árduo no campo da hora em que levanta à hora em que se deita. Mas, sua aparência tranquila esconde a luta contra o mal que causa a si mesmo.
Leandro e Júlia. Duas pessoas marcadas por um passado de perdas e dores, que vão descobrir que há muito mais além do véu da dor se ousarem atravessá-lo. No entanto, terão coragem o suficiente para encarar o que a vida lhes fez e confiar que há esperança de serem felizes outra vez?
"Porque existe beleza na imperfeição e isso é tudo que precisamos saber para encontrar a nós mesmos e ao nosso destino.


Imagem cedida pela autora

     Júlia é uma professora recém formada e desempregada que se vê no auge do desespero por não ter trabalho, até que sua amiga Lorena que mora bem longe consegue uma proposta de trabalho para ela. Por não ter opções, Júlia aceita o trabalho, se muda para o interior para dar aulas em uma escola rural e conhece a família de Lorena. De cara se apaixona por sua família e desenvolve um vínculo especial com seu irmão, Leandro. 

 Gente, eu tive um Lê na minha adolescência, então, li com mais carinho ainda, hahaha. Era legal minha história com o Lê, mas, não cabe aqui nesse momento, hahahaha... Ok, focus, Cecília, focus!

    Júlia e Leandro se tornam bons amigos, e aos poucos vão se envolvendo cada vez mais, porém, um drama forte e pesado envolve o passado de ambos, cada um a sua maneira era machucado pela vida, com traumas terríveis que os atormentavam e trouxeram consequências para ambos, para um deles até mais graves, e eles precisam descobrir primeiramente como se perdoarem para depois conseguirem se entregar ao mix de sentimentos que os envolve. E vou falar: só quem passa por traumas sabe realmente a dificuldade que é se envolver novamente com alguém sem que o passado - que já passou - atormente a todo momento.

Imagem cedida pela autora

     Para mim, Como Chegamos Até Aqui? não é apenas um romance mela cueca. Na verdade, não é mela cueca em momento algum, nem achei clichê! Quer dizer, só na parte de ela se apaixonar pelo irmão da melhor amiga, mas, fazer o que, o cara é o Henry Cavill! Por mais que a Rê tenha usado o Scott Eastwood como avatar, nada tira da minha cabeça que Leandro é Henry Cavill, rs! Então, mas, não é mela cueca, rs, é um livro dramático com uma pegada de romance a la Shakespeare, cheio de tragédias (por isso amei, sou shakespeariana, rs) e com pequenos toques de humor, mas, nada impossível, tudo dentro do cotidiano com situações que podem acontecer, e com personagens que passam por momentos dramáticos. 


     Como Chegamos Até Aqui? - RM Cordeiro. Editora independente, 299 paginas. Disponível eBook bem baratinho na Amazon, corre lá para garantir o seu! Eu super recomendo!

    E obrigada a todos por não desistirem do MLC, assim que o notebook for consertado e eu estiver em casa, voltarei com a programação normal, e terá novidades no canal também, yey!

Beijoooo 💖

terça-feira, 12 de junho de 2018

Releitura de Fábula de Esopo por Cecy

    Olá, leitores, tudo bem?
Passando rapidinho por aqui para contar uma coisa para vocês:

Imagem da internet


    Lá no Wattpad eu postei uma releitura de uma fábula de Esopo (se bem que alguns dizem que é de La Fontaine...) que eu criei para usar com meus alunos. A fábula é O Leão e o Rato, que eu vou deixar postado aqui para quem não conhece. Quanto ao meu texto, vou deixar só um pedacinho, aí vocês vão ter que conferir lá no Wattpad!

"Um leão, cansado de tanto caçar, dormia espichado à sombra de uma boa árvore. Vieram uns ratinhos passear em cima dele e ele acordou.
Todos conseguiram fugir, menos um, que o leão prendeu embaixo da pata.
Tanto o ratinho pediu e implorou que o leão desistiu de esmagá-lo e deixou que fosse embora.
Algum tempo depois, o leão ficou preso na rede de uns caçadores. Não conseguia se soltar, e fazia a floresta inteira tremer com seus urros de raiva.
Nisso, apareceu o ratinho. Com seus dentes afiados, roeu as cordas e soltou o leão.
Moral: Não devemos subestimar os outros."


    Então, essa é a tão conhecida fábula de Esopo. Mas... e se nada fosse realmente dessa maneira? É isso que minha releitura apresenta, uma versão diferente e divertida desse conto.

     "Olá, me chamo Gaspar. Rei Gaspar, ao seu dispor. Sou um leão, automaticamente, o rei da selva. Não sei quando ou o porquê desse título de realeza, mas, sempre gostei dos privilégios que os monarcas desfrutam. Porém, como rei, precisava fazer algo que detestava: resolver os problemas dos meus súditos. É exaustivo ter toda a responsabilidade do reino nas costas! Ao final do dia, após bancar o advogado de defesa, de acusação, juiz ou mediador, sempre ficava muito cansado, sendo assim, me dava ao luxo de tirar pequenos momentos de descanso embaixo de uma imensa acácia – minha árvore favorita de toda a Savana.
     Em uma tarde extremamente quente, após cumprir –sem vontade – minhas responsabilidades diárias, me dirigi a minha querida e frondosa acácia, para descansar. Nada mais justo! Porém, o calor excessivo derreteu o cabo da internet e a operadora estava em pane, não tive como usar o WhatsApp para ficar mandando bobeiras no grupo da família, então, o jeito era dormir. O que não seria má ideia, afinal, o trabalho realmente tinha me deixado exausto. Me ajeitei embaixo da acácia, e dormi o sono dos justos.
     Com o sono agitado devido ao calor enorme que fazia ali me trouxe um pesadelo horroroso: eu era vegetariano. Sim, VEGETARIANO! Do tipo que adorava frutas, vê se pode!" [...]

Vocês podem encontrar completinho clicando nesse título O Monarca da Savana. Vou ficar muito feliz com a visitinha de vocês por lá, minha foto de perfil é uma sereia - claro, rs - e meu papel de parede é uma imagem dos Beets, a melhor banda de ficção do mundo, hahahah... Quem não amava Doug?


quinta-feira, 31 de maio de 2018

Resenha #79: Wolverine - O Velho Logan - Mark Millar & Steve McNiven

 Olá leitores!
Antes de mais nada, preciso explicar uma coisa para vocês: eu não abandonei o MLC como parece, é que estou em uma fase complicada: esse semestre eu não peguei aulas, e fiquei u pouco desanimada só com aulas particulares de reforço e tals. Nesse meio tempo, minha melhor amiga Fabia desenvolveu um sério problema na coluna, chegando ao ponto de fazer uma cirurgia em outubro/2017. O problema é que as coisas complicaram pelo fato de ela ter uma filha de um ano, e ao invés de ela se cuidar, ela se descuidou e precisou novamente de intervenção cirúrgica. Como não estou trabalhando, desde a metade de maio estou com ela e permanecerei por aqui até o final de junho, por isso, a escassez de posts. E ao invés de termos três por semana, aguentem um pouco, teremos um por semana. Espero que entendam e me perdoem, pois bancar a enfermeira e a babá simultaneamente está bucha, rs. Mas, bora para o que interessa?

***Todas as imagens foram retiradas da internet!


“I hurt myself today...”

     Ainda não assisti ao filme Logan, mas, tenho certeza que mesmo que tivesse assistido, não estaria preparada para o que encontrei nas páginas dessa HQ. Pra começo de conversa, foi a primeira HQ que me levou as lágrimas. Sério, em determinado momento, minha vista embaçou, a garganta embargou e precisei respirar fundo e olhar para o horizonte. Enfim, bora pra resenha?

SINOPSE: Cinquenta anos no futuro, a América se tornou um vasto território dividido entre feudos e governado por vários supervilões. Desde que os heróis tombaram, o que aconteceu com Wolverine passou a ser um grande mistério: em seu lugar vive um velho chamado Logan. Sem querer nada além de poder cuidar da família, Logan tem sua vida subitamente ameaçada... e se vê obrigado a viajar pela estranha nova América com a missão de proteger seu futuro e redescobrir seu passado.


     Em alguma parte de um deserto vasto, Logan vive com sua esposa e seus dois filhos adolescentes. Eles estão passando por dificuldades financeiras, e os pais se preocupam com o que pode acontecer com seus filhos. A gang dos Banner – sim, descendentes do Incrível Hulk – são os responsáveis por aquela área, e precisam manter a ordem através do medo. Logan pela primeira vez em anos não tem dinheiro para pagar o aluguel de seu rancho, e quando os Banner chegam, o homem recebe sua sentença: como não tem dinheiro, além de no próximo mês ter que pagar o dobro do valor, recebe uma surra sem reagir. Ele não queria reagir. Ele não podia reagir. E assim, tomou uma coça imensa! Apesar de se regenerar, como já estava mais velho e fora de forma, ele ficou muito machucado mesmo, e levou um tempo para se cicatrizar. E foi durante esse período de repouso que ele recebe a visita de um grande velho amigo com uma proposta: que eles juntos atravessem o país para fazer uma entrega na Nova Babilônia (Washington D.C.) e assim, Logan receberá o suficiente para alguns meses de aluguel. O amigo em questão, não é o Professor Xavier, caso você esteja se perguntando, mas, não vou falar quem é só para ser chata, hahahahah.


     O amigo – um ex-Vingador – está praticamente cego pois sofre de glaucoma, e precisa apenas de um navegador, pois, mesmo sem enxergar direito, ele dirige. E o carro nada mais é do que o Aranhamóvel, construído por Johnny Storm, personalizado por uma das ex-mulheres do cara. Durante a viagem, Logan pensa que a entrega é de drogas, e se amaldiçoa por se meter nessa encrenca. O país está dominado por vilões, mas, os civis de alguma forma ainda possuem fé nos super-heróis, o que é no mínimo irônico, uma vez que durante a Guerra Civil, eles imploraram para que os heróis fossem desbancados preferindo a ajuda da polícia e até mesmo dos Thunderbolts. Mas, isso já foi discutido por mim aqui no blog, então, voltando ao foco, os estados são governados por pessoas cruéis. Logan vive em Sacramento (próximo a São Francisco), território da Hulklândia e ex-Território do Abominável, o Rei do Crime possui o ex-domínio de Magneto e a maior parte do país (entre Fênix e Houston), outra parte são as Terras do Destino (Entre Minneapolis e Detroit) e por fim, o restante do mapa é o Quadrante do Presidente, que não é ninguém mais, ninguém menos que... Não vou dizer, rs!


     Como é um futuro distópico – sim, a Marvel criou uma distopia nessa HQ – as pessoas estão muito acabadas, lutando por uma vida mais justa em uma terra sem lei. A Terra atingiu um número de 8 bilhões de habitantes, os Topeiroides – uma raça subterrânea que o Toupeira descobriu – se acham o sistema imunológico do planeta, e eles invadem as cidades mais populosas e as destroem para diminuir o número de habitantes, e dizimam cidades inteiras. Durante a missão, eles encontram Motoqueiros Fantasmas que dão um pau no Logan que não resiste novamente, deixando o amigo furioso, que apesar de cego, ainda é um ótimo arqueiro – descobriram quem é? – e que mata a todos com flechas seguindo apenas as vozes e gritos dos motoqueiros do mal. E só nesse momento, Clint Barton, vulgo Gavião Arqueiro – realmente nota que Logan falou sério quando não lutava mais. Até então, ele sempre o chamava de Wolverine, mesmo o mutante lhe pedindo para chama-lo apenas pelo nome. Mas, ainda não era hora de revelar o motivo que o fez desistir de tudo, e Clint, não insistiu. Ao longo da viagem ainda passaram por diversas aventuras, encontraram uma das ex-mulheres do Gavião – que é a filha de um antigo Vingador também – a filha deles, passaram por destroços de cidades, ossos de heróis e até mesmo de vilões, encontraram dinossauros (!!!), enfrentaram os Topeiroides e até mesmo Venon resolveu fazer uma rápida aparição.




      Em determinado momento, Logan finalmente desabafa com Clint, contando tudo o que aconteceu há cinquenta anos, como ele saiu quebrado, destruído e o motivo de ele querer ter enjaulado dentro de si o animal que dividia espaço com o homem. Foi o momento em que chorei, mas, sabe o que eu entendi? Que além de não ter julgado, o Gavião permitiu que Logan se perdoasse ao colocar tudo aquilo pra fora. E em meio a isso tudo, uma antiga aliada os salva de uma enrascada e ainda conserta o Bugue-Aranha que vinha enfrentando todas com os ex-Vingadores. Ao chegarem no destino, outra traição é descoberta, e novamente, Logan se vê em meio a um caos que ele não provocou, mas, dessa vez as coisas são diferentes. Essa viagem o mudou, e ao ver que as coisas não são como parecem, ele é levado para um antigo inimigo, ele se vê em meio a um dilema, e ele sabe muito bem o que precisa fazer. 


     As cores frias de marrom e bege, nos levam ao deserto, ao futuro quase sem provisões, as cores em preto e vermelho, nos transportam para a agonia dos sentimentos confusos não só de Logan, mas, do próprio Gavião e de todos os vilões também. Steve McNiven como sempre, arrasando nas ilustrações, nos colocando a par de tudo através das expressões faciais dos personagens... Os quadrinhos onde ele mostra Logan chorando agoniado, me deixou agoniada e chorando também. Mark Millar é o gênio por trás do roteiro, e vou dizer, ele arrasa! Criativo esse cara, gente! E aqui: nada me preparou para quando as coisas na Nova Babilônia acabaram e ele voltou para casa. Puxa vida! Não posso, tô quase dando spoilers... Só falo que me surpreendeu... SNIKT! (Isso é uma onomatopeia, ok? Ahahah...) E que foi muito, muito feio tudo o que aconteceu dali pra frente. O Velho Logan não é um gibi para crianças, na verdade, acho que nenhum dos gibis da Marvel são para crianças, mas, esse especificamente é muito sangrento e violento, ainda mais que Hulk Contra o Mundo, um dos mais violentos em minha opinião. Claro que essa é uma das muitas realidades alternativas, mas, realmente, muito triste seria se tudo acabasse dessa maneira. E falo, que nunca a música de Johnny Cash fez tanto sentido pra mim quanto ao ler esse gibi. Eu achei que ficou perfeita no trailer de Logan – chorei só de ver o trailer e ouvir Cash – mas, ao colocar essa música em contraste com essa história, achei que ela fez todo sentido. Repito que não assisti ao filme ainda, mas, àquela menininha sabe, a X23, nem dá as caras no gibi.



      Bom, pessoas, vou parando por aqui, já falei mais do que o necessário, me empolguei demais escrevendo essa resenha, rs!




Wolverine – O Velho Logan – Mark Millar & Steve McNiven, Marvel Comics, Editora Salvat. Recomedadíssimo!

terça-feira, 22 de maio de 2018

Resenha #78: O Espetacular Homem-Aranha: De Volta ao Lar - J. Michael Straczinski & John Romita Jr.

     Hello, tudo bem?
Me perdoem por estar em off esses dias, tinha pensado em tirar duas semanas após o BEDA, mas, postergou pra mais uma por uns motivos que não cabem aqui no blog. Mas, hoje trouxe algo muito especial.

    Como essa semana teremos uma data muito importante que é o Dia do Orgulho Nerd/Geek, essa semana teremos coisas especiais sobre a cultura nerd aqui no MLC. E para começar,  nada melhor do que uma linda resenha de HQ, não acham? E dessa vez, trago sobre um herói que ainda não tinha trazido por aqui.

Bora lá?

Imagem da internet

     SINOPSE: Ao longo de sua vida, Peter Parker com frequência se sentiu sozinho. Quando descobriu suas habilidades aracnídeas após ser picado por uma aranha irradiada, ele as manteve em segredo. Sua tentativa de explora-las para obter lucro resultou no assassinato de seu tio Ben. Aparentemente, ninguém compreenderia o difícil equilíbrio entre o mortal e o herói.
Até agora foi assim. Uma misteriosa figura surge de repente, exibindo poderes similares aos de Peter. Quem é esse homem misterioso? Quem são as pessoas que ele representa? E o que é esse mal ancestral que chegou aos Estados Unidos em busca de Peter?

     Não assisti ao filme De Volta ao Lar, então, não sei o que tem por lá e não posso dizer, mas, com certeza, não tem nada a ver com a HQ. Uma coisa que eu sei é que no filme, Peter ainda está na escola, o que não é o caso que encontramos no gibi. Eita, melhor começar do começo, rs!

Imagem da internet 
    Não li ao gibi que antecede essa história, mas, sei que Peter tem uma vida boa ao lado de sua linda esposa e supermodelo Mary Jane, mas, por alguns problemas relacionados ao Homem–Aranha – e não Peter – MJ toma a decisão de se separar do marido, mesmo o amando imensamente. E é assim que começa essa trama, com um Peter Parker arrasado pela separação de sua amada esposa. Sua depressão está tomando conta de seu ser e o herói se torna até um pouco descuidado com seus afazeres. Durante a noite, fica balançando por aí em suas teias e só para quando se cansa e durante o dia, anda sem rumo. Em uma dessas andanças por aí, um dia ele se depara com sua antiga escola e vê um aluno sofrendo bullying dos valentões. Peter então, relembrando da época em que ele próprio era adolescente, ajuda o rapaz, mas, este fica irritado, pois, agora será mais sacaneado que antes. Então, novamente em uma de suas noites de balançadas em teias, ele encontra uma pessoa, um homem de meia idade com poderes idênticos aos seus. Aranha fica completamente atônito ao encontrar alguém com as mesmas habilidades e quer algumas respostas, mas, o estranho - chamado Ezekiel – acaba lhe deixando com muitas dúvidas mais.

 "– Diga uma coisa, Pe... hã, Homem-Aranha. Não minta, pois vou perceber. Como conseguiu seus poderes?
– Eu... – Zek sabe quem sou e poderia fazer muito estrago com essa informação. Preciso entrar no jogo. Afinal, minha origem vai ser inútil para ele. – Uma aranha irradiada me picou.
– Ahá! Foi o que pensei. Isso explica sua forma de encarar a situação. Outra pergunta...
– Olha, eu já cansei de...
–Calma, você vai gostar dessa. Acredite.
[...]
– Eu tenho uma pergunta das boas. Vou provocá-lo como nunca provocaram antes... e nunca provocarão depois. Por isso preste atenção. A radiação possibilitou que a aranha lhe desse poderes? Ou a aranha tentou transmitir seus poderes antes que a radiação a matasse? O que veio primeiro: a radiação ou o poder? O ovo ou a galinha?”

Imagem da internet
    Claro que isso foi um choque tremendo para o Aranha, que nunca tinha cogitado essa possibilidade, e ficou muito pensativo. Ezekiel o deixou com seus pensamentos e cada um seguiu com sua vida. Simultaneamente, uma cara com cara de defunto e muito sinistro, chegou ao território do Aranha, procurando por uma essência pura de herói para se alimentar, e ele não pararia, não desistiria até encontrar essa fonte. E o novo amigo, Ezekiel, cada vez mais misterioso, seguia sua vida com seus negócios bilionários.

       Peter procurava consolo sempre em sua fiel amiga, mãe, confidente e tia, May, que estava fazendo o possível para manter a sanidade de seu sobrinho. Ao tentar uma vaga como professor de ciências na escola onde estudou na adolescência, o sentido aranha de Peter o alerta para um atentado na escola, e ele precisa usar sua inteligência e seus poderes para contornar a situação, e descobre um aluno brilhante em meio ao caos. Após conseguir a vaga na escola, causou uma comoção nos alunos e dividiu opiniões sobre professores que gostam do oficio e os que estão lá por estar. Assim, ele poderia ficar mais próximos dos alunos e tentar proteger os nerds como ele.

Imagem MLC
     A vida seguiu em frente, e alguns dias mais tarde, Ezekiel entra em contato com Peter e lhe informa que ele está em perigo. Ele leva Peter a um abrigo seguro, mas, o rapaz não aceita a ajuda, e o mal que estava esperando o momento para extrair a essência pura do Homem-Aranha atacou de um modo como nunca fora atacado antes. E agora, ele conhecia o cheiro do herói, ele o perseguiria e o encontraria, até que Peter finalmente desistisse e se entregasse de vez. E aqui, vemos um Homem-Aranha caindo em um buraco cada vez mais fundo, do qual não temos certeza se ele vai sair.

       Aqui chegamos em uma encruzilhada: Peter vai morrer pelas mãos do carinha defunto – que tá mais pra vampiro, pois, o homem vai beber o sangue dele, ou vai acabar se matando para evitar morrer pelas mãos do inimigo, e ter seu sangue bebido após morrer por conta própria. Ou seja, ele precisa morrer. Mas, como matar um herói tão querido? Straczynski não nos decepciona com um roteiro espetacular para essa HQ. E a arte de Romita é tão perfeita, seus traços são tão densos que dá para sentir o que eles sentem somente de olhar para as ilustrações. Sofri o tempo todo junto com Peter e com o Homem-Aranha, e se eu fosse você, leria só pra sofrer também, rs.

Imagem MLC

     Vou ficando por aqui, chuchus!

O Espetacular Homem-Aranha: De Volta ao Lar (The Amazing Spider-Man: Homecoming) – J Michaels Straczynski & John Romita Jr, Marvel Comics, Editora Salvat. Já diz o nome: Espetacular!

Beijooooo


segunda-feira, 30 de abril de 2018

{{BEDA #30}} - Resenha #77: Thunderbolts - Fé em Monstros - Warren Ellis & Mike Deodato

Oisss!
Nem vou me demorar, resenha de HQ é difícil, e as minhas são longas, hahah.

Bora lá?

Imagem MLC
SINOPSE: Numa época em que a América perde a fé nos super-heróis, os Thunderbolts, ex-vilões sob o comando de Norman Osborn, nunca foram tão vitais. No entanto, as coisas não vão muito bem na Montanha dos Thunderbolts, pois conflitos internos ameaçam a ruptura do grupo. Com a equipe em alta nas pesquisas de opinião pública, a América está pronta para aceitar seus novos salvadores. Mas será que os Thunderbolts estarão à altura desse desafio?

     Então, essa foi uma das HQ’s mais difíceis que eu já li. Os acontecimentos dessa trama ocorrem pouco depois de os heróis terem duelado e ficado em lados opostos na famigerada Guerra Civil, deixando Capitão América e Homem de Ferro em lados opostos pela primeira vez. A população estava desacreditada dos heróis, mas, o governo foi muito filho da mãe ao colocar os vilões como “policiais”, como cuidadores da população. Sabe aquele famoso ditado que diz “dê ao homem poder e ele lhes mostrará a verdadeira face”? Pois é, dar poderes aos vilões não pode ser uma boa escolha. Enfim, depois da Guerra Civil, aconteceu exatamente isso, os Thunderbolts liderados por Norman Osborn – um cara que ama poder, venhamos e convenhamos – conta com um time poderoso de supervilões: Soprano, Venon, Mercenário, Homem Radioativo, Suplício, Espadachim E Rocha Lunar como líder de campo. Apesar de serem assassinos e psicopatas, essa superequipe de vilões é financiada pelo governo e tem plenos poderes para fazer o que quiserem, apenas Mercenário é desconhecido pelo público, e ninguém faz nem ideia de que ele está na equipe, pois, só é usado em casos extremos. 

Imagem MLC
 O público está aceitando bem os vilões, pois eles se mostram abnegados e altruístas. Alguns não querem fama de super-heróis nem ao menos desejam a redenção, mas, aceitaram o trabalho pois dessa forma poderiam infligir sofrimento aos heróis que não se registraram no programa do governo. Mas, as coisas são estranhas, apesar de eles serem um time, um vive tentando derrubar o outro. Venon e Mercenário querem a ruína de Osborn, Rocha Lunar quer o controle do grupo e Espadachim quer o clone de sua irmã que já morreu que é mantida pelo líder. Apenas Suplício está no time em busca de redenção, pois desde a destruição de Stamford durante a Guerra Civil, ele está estressado e como castigo, precisa estar nesse grupo. Fora que Osborn nada besta, tem o controle total de seus liderados: foram injetados com uma nanotecnologia – exceto Suplício e Rocha Lunar – que garante que eles vão cumprir ordens. Caso eles desobedeçam, os nanorobôs são ativados e paralisa – ou mata – o transgressor.

Imagem MLC
 Os caras estão tocando o terror geral na cidade e usando de manipulação de imagens para que o público veja o que eles querem que o público veja, e não a verdade. Por exemplo, ninguém vê o simbionte devorando o braço do Aranha de Aço, a luta brutal entre Mercenário e Jack Flag, mas, todos veem como os heróis que não aceitaram se registrar são perigosos para a população. Um cara que é pego de surpresa em uma briga vai fazer o quê? Se defender, certo? Isso acontecia, mas, as imagens eram manipuladas para que as pessoas pensassem que os heróis que atacavam os Thunderbolts à paisana. E é isso que tem acontecido, um caos que só!


     Assim como tudo tem o lado bom e o lado ruim, vimos diversos gibis trazendo os dilemas dos heróis e tals, mas, ver os vilões transformados em heróis é bem interessante, pois, temos um outro lado para torcer. Na verdade, apesar de eu ser bem do contra, eu não simpatizo com os vilões da Marvel, hahaha. Acho que quanto menos você gosta do vilão, mais prova que ele é bom. Por exemplo, detesto Norman Osborn, o que me faz crer que ele é um ótimo vilão... Deu pra entender? Ahahaha... Mas, não gostei muito dessa HQ, não. Ela é importante para dar sequência no enredo, eu sei, mas, achei um tanto enfadonho.

Imagem MLC
 Enfim, as coisas continuam ruins, cada vez piores, e notamos que o governo foi muito, muito, mas, muito infeliz em obrigar os heróis a divulgarem suas identidades. Como eu disse na minha resenha de Guerra Civil, eu entendi os dois lados defendidos, entendi os motivos de Stark para ficar a favor do governo, e entendi os motivos de Rogers por não apoiar essa campanha. O problema é que ninguém tinha noção da proporção que isso tomaria. E agora? Cada ação gera uma reação, certo? E com toda essa bagunça acontecendo, como será que o governo americano vai fazer para retomar o controle total de seu país? Fora que o desfecho do Mercenário foi INCRÍVEL!!! Acho que era exatamente o que ele merecia.... Ou precisava! Noss, como eu sou má, hahahahah... Para saber o que aconteceu com Mercenário, só lendo, rs!

Imagem MLC
 As cenas possuem tons bem escuros, para dar uma sensação de sufoco e aquele tom sombrio que essa trama pede, sabe. O ilustrador Mike Deodato (que é brasileiríssimo, da Paraíba) deu um show nas imagens para esse encadernado. Falando nisso, uma coisa que eu achei demais, é que em uma das cenas, ele colocou uma imagem dele mesmo sendo entrevistado pelo Jô soares, gente. Sério, não tô zoando, se não acredita, olha aqui embaixo e me diz se não é o Jô! Clica na foto e aumenta pra ver um detalhe na caneca! Já o roteiro fica por conta de Warren Ellis e num geral é bom, mas, eu não gostei muito como disse ali em cima. Porém, preciso destacar que algumas sacadas são muito da hora. Era engraçado por exemplo, quando alguém falava sobre aranhas perto de Osborn, qualquer coisa que levasse o nome “aranha” fazia o cara ter um ataque, isso era engraçado, hahahah. Ri muito nessas cenas!

Imagem da internet
 Enfim, galera, jogo a batata nas mãos de vocês. Leiam lá e depois me contem o que acharam. Ou quem já leu, me conta também. Quero interação, rs.

Vou ficando por aqui!


Thunderbolts: Fé em Monstros – Warren Ellis & Mike Deodato. Editora Salvat do Brasil, 160 páginas. Ah, recomendo para dar continuidade do enredo, mas, particularmente, não curti.

    E obrigada por ficarem comigo durante esses trinta dias, povo. Apesar de atrasar alguns posts, cumpri com meu papel, rs!


    Semana que vem eu volto, ok?

Beijos e queijos!

domingo, 29 de abril de 2018

{{BEDA #29}} Poema Sobre a Vida

    Olá, amores!

Esses últimos dias falei com vocês sobre problemas, sobre pessoas amadas e nunca esquecidas. Ou seja, sobre a vida. E achei esse poema fofo e quis compartilhar com vocês.

Imagem da internet
Um dia descobrimos que beijar uma pessoa para esquecer outra, é bobagem.
Você não só esquece a outra pessoa como pensa muito mais nela...
Um dia nós percebemos que as mulheres têm um instinto "caçador" e fazem qualquer homem sofrer...
Um dia descobrimos que se apaixonar é inevitável...
Um dia percebemos que as melhores provas de amor são as mais simples...
Um dia percebemos que o comum não nos atrai...
Um dia saberemos que ser classificado como "bonzinho" não é bom...
Um dia percebemos que a pessoa que nunca te liga é a que mais pensa em você...
Um dia percebemos que somos muito importante para alguém, mas não damos valor a isso...
Um dia percebemos como aquele amigo faz falta, mas aí já é tarde demais...

Enfim...

Um dia descobrimos que apesar de viver quase um século esse tempo todo não é suficiente para realizarmos todos os nossos sonhos, para beijarmos todas as bocas que nos atraem para dizer o que tem que ser dito...

O jeito é: ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou lutamos para realizar todas as nossas loucuras...

(Autor Desconhecido)

   Então era isso, amores!

Deixo vocês com as mãos do filme Orgulho e Preconceito de 2005.

Beijooo
Imagem da internet

{{BEDA #29}} TAG: By The Book

     Aêêêêêêê....

Passando hoje trazendo mais uma TAG da hora que o Explorador Literário me marcou lá no Instagram. A TAG consiste em responder perguntas básicas sobre nosso dia a dia literário.

Bora lá?

1. Que livro está na sua cabeceira?

Minha Bíblia, sempre. É o primeiro livro que leio ao me levantar.

2. Qual foi o último livro realmente bom que você leu?

Noss, tenho lido livros ótimos, mas, vou ficar com Apelidos Carinhosos, do Guilherme Olí. Simplesmente genial!

Imagem MLC
3.  Se você pudesse encontrar um escritor vivo ou morto, quem seria?

Eu acho que já disse isso aqui em algum momento, mas, adoraria conhecer JM Barrie (Peter Pan) e a Lygia Fagundes Telles, que é uma diva!

4. Qual livro ficaríamos surpresos de encontrar em sua estante?

Os Segredos das Mulheres Inteligentes, Steven A. Carter e Julia Sokol. Não gosto de autoajuda, mas, esse livro é muito bom.

5. Como você organiza sua biblioteca pessoal?

Tirando as sagas, sempre por ordem alfabética. 

6. Qual livro você já deveria ter lido?

Razão e Sensibilidade, de Jane Austen. Faz mó cota que está na estante esperando para ser lido, rs.

7. Um livro que te desapontou?

A saga Encantadas. Fiz tanto para ler e foi uma agonia cada minuto lido.

8. Que tipos de histórias chamam sua atenção?

Distopias, aventura e ficção.

Então, até amanhã.

Beijooooo


Próxima Página Home
Layout criado por