domingo, 5 de agosto de 2018

{{BEDA - Post #5}} Semana Lígia Dantas

   Olá, leitores, tudo bem?
A Lígia tem um monte de contos, é verdade, podemos conhecer todos eles lá no Wattpad. São contos curtos e Olhos da Deusa mesmo tendo para venda baratinho na Amazon, está completo lá na plataforma também. Então, não tem desculpa mesmo para não ler nada dela. E hoje trouxe mais uma resenha de um conto premiado (mais um), entitulado "Amora". Bora lá? 

Imagem MLC

SINOPSE: Adolescência é estar na exata encruzilhada entre ser menina ou ser mulher. Clarissa tenta alcançar o mistério de ser mulher. Tudo pode mudar quando do tem acesso a cabana que guarda mistérios sobre sua avó falecida ainda muito jovem.

   Imagino que a autora tenha ligação muito forte com suas avós, pois, sempre que as retrata, ela mostra figuras amorosas e abnegadas, notei isso lá em Olhos da Deusa e se repetiu aqui. Eu não conheci minhas avós, minha avó paterna faleceu muitos antes dos meus pais se casarem e minha avó materna faleceu quando eu tinha cinco, e eu não me lembro dela. Só me lembro de uma imagem: dela no caixão, detalhadamente. Sei como estava o seu cabelo, o vestido com pequenas flores azuis combinando com o tom do terço azul entrelaçado em seus dedos. Me lembro de certos eventos em família onde meus irmãos afirmam que ela estava presente, mas, não me lembro dela. Uma psicóloga me disse que provavelmente eu a esqueci de propósito, que meu cérebro bloqueou para não sofrer. Então, me contento com as avós literárias, com as avós de amigos e até mesmo de alunos. E as avós da Lígia são maravilhosas. Vamos falar sobre uma dessas avós mara aqui, então. 

    Clarissa tem quinze anos e se sentia super deslocada em reuniões familiares, pois, era a neta mais velha, a adolescente solitária que não fazia parte das conversas adultas e que não podia participar das conversas com o grupo de mulheres que se trancava no quarto após o almoço. O que será que rolavam durante aquelas conversas? No ano anterior, uma das meninas da família de dezessete anos teve a chance de entrar nesse seleto grupo e sem chance de protestar, apenas ouviu da tia que seu momento chegaria.

    Fiquei tentando descobrir o que rolavam nessas conversas. Provavelmente, besteiras, pois, de acordo com um de meus sobrinhos mais velhos, quando junta muita mulher só sai besteira. Ele disse isso, quando anos atrás em um Natal na minha casa juntou uma mulherada no meu quarto para comprar lingerie, e os assuntos realmente eram bobeiras, e meu sobrinho parou na porta no momento em que os assuntos de roupas íntimas se misturaram com o fato das tailandesas serem as maiores amantes do mundo, e ao notarmos o Rafa lá parado olhando pra nós, ele solta a frase icônica: "muita mulher junta só fala besteira!" Hahahahah, foi divertido! Mas, voltando ao foco, Clarissa ainda não estava preparada para ouvir o que quer que as mulheres conversavam e então decidiu ir até a antiga cabana de seu avô, local proibido e atraente, sempre trancado e as chaves escondidas. De repente uma situação exigiu a atenção de todos e a moça viu as chaves da cabana presas no casaco do avô e em um momento de distração, um dos primos pegou as chaves e levou para outro primo e foram até a cabana com a moça atrás. Ao entrarem na cabana, os meninos se acovardaram com tudo o que viram e fugiram, mas, Clarissa, não.

Imagem MLC
   
    Clarissa se viu encantada com outras coisas que se referiam ao passado de seus avós e assim teve a chance de entender o segredo daquela cabana, ou melhor, o motivo pelo qual seu avô mantinha secreto. A experiência que a moça teve com as lembranças de seu avô, naquele momento a fez pensar que mesmo que não participasse de reuniões secretas com as mulheres, não havia melhor lugar para ela ter se entendido como aquela cabana, e naquele momento, ela sentiu-se mulher, sentiu-se adulta, e mais ainda, sentiu-se parte de algo bem maior.

    Amora é um lindo conto, uma análise sobre a adolescência em sua fase mais crítica e como pequenas coisas podem tornar nosso dia ou até mesmo nossa vida mais vibrante e apreciada. Mereceu o prêmio, com certeza.

   Então era isso, amanhã tem mais.

Beijoooo 💕

2 comentários:

  1. Arrepiei emocionei lendo você falar da cena q guarda de sua avó. Pra mim elas sempre foram um receptáculo de mistérios e conhecimento. Por isso são personagens tão fortes e presentes nos meus escritos. Amei que você captou isso é muito mais! Obrigada 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não tenho lembranças das minhas avós, como disse, mas, saber que eu capturei a essência do símbolo delas pra você me deixa muito feliz!

      Beijoooo 💓

      Excluir

Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por